quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Um Feliz Natal!

Acredite e tenha fé na hora em que for fazer seu pedido. Papai Noel pode demorar, mas ele nunca esquece seu presente.

Está na hora de parar, pensar e jogar fora todas as coisas ruins e começar um novo ciclo. Um momento sem "bads", um período isento de preocupações, de coração leve, sorriso no rosto e muito, mas muito amor no coração.

Sem ilusões e falsas promessas, o amor vem. Do jeito avassalador, acabando com tudo, para se instalar de uma maneira calma, encontrando o ritimo, conhecendo território, criando espaço, estabelecendo uma conexão, para ficar no ponto certo, na mesma sintonia, no mesmo plano, na mesma direção, rumo ao sucesso.

Decepções, ilusões, lágrimas, descompassos, desencontros, abismos e silêncios são palavras do passado, de um momento distante, do fim.

Se dê uma chance. Se permita cometer erros e aceitá-los, mudá-los, sem abaixar a cabeça, sem ter medo, ser mais você.

Abra seu coração sem regras. Aprenda o valor das coisas, conheça o seu valor.

Não perca a verdade. Não esconda sua essência.

Não se entregue à saudade. Estenda a mão para o amor. Seja intensa, seja espontânea, seja feliz.


Deixe a porta aberta, nunca se sabe a hora, tudo pode acontecer... A vida é uma caixinha de surpresas.



É Natal! Renove-se.
Seja bem vindo ao novo!
Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Última Regra: Não tenha regras!

Relembrando as regras:



1- Seja sempre sincera
2- Não se envolva
3- Não passe vontade
4- Mantenha o foco- Saiba o que você quer
5- Nunca duvide da sua intuição
6-Espere o primeiro contato-Fique longe do telefone
7- Supere sempre as expectativas
8- Saiba conquistá-lo
9- Mantenha sempre o bom humor
10- Pense antes de falar

--------------------------------

Essa regras começaram, depois que conheci uma cara que faz regras, mas são regras de homens, feitas entre os amigos. Decidi então fazer regras para o mundo feminino. Mas, depois de muito pensar, hoje vejo que o melhor é viver sem regras, ser espontânea, dizer a verdade, e principalmente: Não fazer jogos!

Porque a gente tem que sempre pensar no outro, na situação, em tudo? Quem pensa na gente? Injusto esse mundo dos jogos do amor, injusto a gente parar de fazer o que tem vontade por medo de não agradar ao outro! Como assim? Desse jeito o outro nunca vai nos conhecer como somos! Ninguém quer pessoas perfeitas, as pessoas buscam alguém diferente, buscam sair da mesmice, buscam alguém que as surpreendam!

Tenho milhões de exemplos de joguinhos entre homens e mulheres, mas para quê vou contar à vocês? Tenho certeza que vocês conhecem muito bem esses jogos: Onde um sempre sai machucado e usado.

Eu acredito que existam pessoas interessadas num relacionamento saudável, light, espontâneo e sem jogos. Se todos acreditarem, se você der o primeiro passo para acabar com esses jogos, você estará plantando um pouco de felicidade em sua vida. É verdade. A gente precisa parar de reclamar, a gente precisa se mexer! Dane-se o carinha! Dane-se que ele não ligou, que ele não fez! Ligue você, faça você, e se ele não a quiser ao menos você partirá logo para outra e não ficará esperando algo que o outro não pode te dar!

Outro dia estava conversando com uma amiga muito querida que me disse: "Lud, descobri o grande mistério dos homens, é o seguinte:- A gente pode ligar, pode transar com eles, pode procurá-los, a gente pode fazer tudo! Menos uma coisa: A GENTE NÃO PODE DAR SEGURANÇA PARA ELES!"

Exato. E, na verdade, nem eles podem dar essa segurança para a gente. Mas, o outro pode dar carinho, pode ser gentil, pode ligar, pode nos surpreender. Esse suspense sobre o sentimento do outro no começo, é até gostoso. Mas, não podemos fazer com que vire algo doentio, algo ruim, algo manipulador.

Não sigam regras, sigam o próprio coração!

Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Delícias do primeiro encontro

Não tem nada mais gostoso do que você sair com aquele flerte que há tempos mexe com suas estruturas. Já rolou altas conversas, sorrisos para cá; sorrisos para lá, conversas ao telefone, os amigos já sabem que entre vocês está acontecendo ou melhor; está prestes a acontecer alguma coisa, até que o tão esperado encontro sai do virtual para o real.

Nada como marcar num barzinho para descontrair o ambiente. Marcar em locais públicos, de preferência num bar descolado, nos deixa mais tranquilas, relaxadas. Até mesmo para o cara: Nada agradável o cara sentir a mulher nervosa, ou incomodada com alguma coisa.

Chopinho, vodka, um álcool para os dois ficarem relaxados. Conversinhas ao pé do ouvido, elogios, olhares que só faltam nos deixar nuas, e o melhor: Aquele clima, aquela ansiedade e ao mesmo tempo medo da química. Será que vai rolar uma química maneira? E o beijo? Rola um certo pânico, até porque imaginem a situação: O cara é uma delicinha, o papo é maneiríssimo, o clima está perfeito, a única coisa que falta para marcar o gol é rolar aquela química que nos atropela, aquele beijo descompensado; e se não for bom? É sem dúvida aquele balde de água fria.

Mas também, quando rola a sintonia perfeita onde tudo é mais que perfeito, é uma sensação maravilhosa. Um encontro de almas, uma paixão intensa, um medo prazeroso.

Caso aconteça o contrário, é uma pena, mas ainda bem que a fila anda!

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

A resposta

É só não esperar encontrar a pessoa, para encontrar... Que coisa!!!

A palavra que melhor define a situação é: Chocada. Sim, estou chocada.
É bem verdade que toda ação, pede uma reação, mas dessa vez não houve nada, por mais incrível que pareça, o silêncio se fez presente.

Falei. Falei tudo, cara a cara, no lugar errado, na hora errada, no clima mais horrível possível. Depois? O outro foi embora, do jeito que homem dá balão em mulher: - "Então, vou ao banheiro e já volto! Inacreditável, chocante, inesperado. Mas, juro, foi o que aconteceu.

Nesse momento era para eu dar pulos de alegria, pois ao menos consegui falar tudo, mas confesso que estou decepcionada. Talvez por isso que eu adiara tantas vezes essa conversa, previa um final ruim. Intuição de mulher é "batata".

Mas uma coisa eu estou sentindo, estou me sentindo mais leve. Tenho a impressão de ter tirado um peso enorme das costas. Quando falo que estou decepcionada, é porque eu esperava qualquer reação, qualquer atitude, menos essa covardia, essa falta de atenção, essa falta de tratamento! Nossa! É muito difícil entender o outro.

Não precisava ter sido assim, dessa forma, até porque, acredito que em todos os momentos houve verdade, mas acho que foi tudo um grande desencontro, de repente, um grande mal entendido.

Bom, ao menos foi resolvido. Ao menos, consegui vencer o terrível medo de falar.
---------------------------FIM-------------------------------------------
---------------------------------------------------------------------------

Obrigada pelos email sobre o blog!
A atenção e o carinho de vocês conta muito!
O texto anterior foi uma radical exposição sobre mim, mas apenas para mostrar que sou uma pessoa como vocês: Tenho meus momentos ruins, os bons, mas nada como dar a volta por cima.
O próximo texto voltará com seus assuntos normais sobre o fantástico mundo complicado dos relacionamentos!

Beijos

Lud Figueira

domingo, 7 de dezembro de 2008

Uma despedida elegante

Como diria um querido amigo meu, esse final de semana foi TRASH. Aconteceram muitas coisas desagradáveis, que infelizmente pessoas teimosas como eu, se forçam a passar por tais situações para ter certeza que é verdade o que está acontecendo.

Minha semana foi uma loucura, poucos sabem, mas estou terminando o curso de jornalismo, e, durante a semana que se passou, entreguei minha monografia- Batom na Tela- Análise de dois blogs femininos. Ainda estou tensa, pois só vou defendê-la semana que vem, então vocês podem imaginar o tamanho do meu nervosismo.

Para abalar um pouco mais as minhas estruturas, há cerca de três semanas, reencontrei um caso mal resolvido, daqueles que nunca se falou nada, mas basta os olhares se cruzarem para tudo acontecer.

Pois bem, voltando ao passado, há cinco anos atrás eu vivi as aflições e ilusões do primeiro amor. Mas, foi um caso mal resolvido, que o tempo custou a passar, mas de uma certa forma, resolveu-o para mim. Prometi para mim que resolveria meus "casos" e não deixaria mais se tornar algo sem definição, algo sem palavras, algo onde só houvesse movimentos.

Mas, a grande verdade é que nunca consegui falar. Tenho medo das palavras ditas, dos DRs (discutir relacionamentos), acho que sempre tive medo de ouvir a verdade do outro. E o pior de tudo, coloquei na minha cabeça um modelo de perfeição de mulher que hoje, sei que nunca chegou perto do modelo da Ludmila- Sempre fui a mulher que não trazia problemas, nunca ligava, nada pegajosa, diria até um pouco fria, e uma verdadeira amante na cama.

Com o tempo, acabei achando que ser assim, era o melhor. Afinal, como todo mundo vive a fase do egoísmo, do pouco caso com os sentimentos do outro, ser assim era uma maneira de me defender, mas hoje percebo que sempre vivi na sombra dos relacionamentos, na superficialidade das emoções, no estilo Cinderela- com hora para acabar a festa.

Esse ano, cometi todos os erros. O primeiro foi me apaixonar por alguém que tinha escrito na testa: Problemas! Para vocês terem noção da minha sorte, o ser amado em questão apenas, vejam bem, apenas, havia acabado de terminar um namoro há poucos dias; um simples namoro de 7 anos. Simples assim.

Claro que qualquer pessoa normal, teria saído correndo, colocado a cabeça no lugar e jamais se envolveria com uma pessoa numa situação dessas. Mas, eu, alguém que poucos sabem, intensa apaixonada, aventureira, sonhadora e maluca, não me importei com esse simples fato e fui apenas, vivendo, na minha, deixando rolar.

Estabeleceu-se o seguinte: Nada de telefones (tipo um acordo velado), nada de dia seguinte, apenas o aqui e o agora, quando se encontrar, quando se esbarrar por aí, vemos como fica.... Ok. Aliás hoje em dia, os casos são assim mesmo: aquele momento sublime e depois, bom depois é tocar sua vida e esperar pelo próximo.

Tudo bem. Como sou uma pessoa estranha(nunca namorei e confesso que há até pouco tempo tinha verdadeiro pavor de relacionamentos) para mim, estava boa essa situação, até eu vir a me apaixonar. Mulher quando se apaixona, perde o controle, perde a direção e começa a fazer coisas que o outro não espera. No caso em si, eu me apaixonar era quase a morte para essa tentativa de relacionamento, pois a última coisa que o outro queria, era se apaixonar por alguém.

Vivi na sombra e no silêncio. Vivi na espera. Houve ligações mal sucedidas, beijos descompensados, tentativas frustradas de se chegar a um denominador comum, aquele lance de esperar os "gnomos" marcarem os encontros inesperados, muito frio na barriga, muito álcool para conseguir descontrair o ambiente, muitas lágrimas nos dias que se passaram, muitos sonhos, momentos que só uma colecionadora de momentos pode avaliar.

Claro que, como tudo na vida, chegou a hora do: CHEGA!. E final de agosto, depois de um encontro num evento desses de música eletrônica- os melhores eventos são de música eletrônica- depois de mais uma noite de palavras bonitas, arte e muito suor, vi que era apenas um caso de uma noite e nada mais. Decidi esquecer e ficar longe. Com isso, comecei a dar oportunidades para novas pessoas entrarem na minha vida. Nada como novos possíveis amores, para esquecer velhos possíveis amores.

Foi o que eu fiz. Conheci novas pessoas, novos beijos, novas camas. Me joguei nos eventos, nas festas, na diversão. Até que, aquele caso estranho tinha sido esquecido, nunca mais lembrei, nunca mais falei e relaxei.

De repente, depois de dois meses, o que acontece: Encontro com o tal caso estranho. Meu coração salta pela boca, minhas pernas tremem, meu estômago revira, minhas mãos ficam geladas, minha boca seca... Êpa, Êpa Êpa! O que está acontecendo?! E a terrível conclusão:- "Não o esqueci, jamais o esqueci, meu semtimento por ele apenas estava adormecido, ele ainda mexe comigo."

Terrível conclusão. Acho que meu sentimento por ele estava de férias porque quando voltou, voltou com tudo. Mas também, agora eu estava menos compreensiva, menos submissa, menos legal. Agora estava mais disposta a acabar com silêncios, a falar a verdade, estava disposta a dizer a que vim, o que quero e quando quero. Mas quem disse que mulher apaixonada consegue dizer não? Consegue se impor? Consegue honrar com palavras, aliás, quem disse que mulher apaixonada têm palavra? Têm credibilidade dos outros?

É isso. Me permitir enxergar o outro e a ver claramente suas atitudes, e vi que por ele, estava me deixando ser usada, que para ele eu era uma doce e deliciosa noite, uma linda e boa "garota" que tudo aceitava e nada falava. Ou seja, uma boba apaixonada.

Mas antes de chegar a essas tristes e reveladoras conclusões, tomei uma atitude que difícil para mim foi. Como não tenho coragem de falar, sou péssima com palavras faladas, resolvi, voltar a adolescência e escrever uma carta, traduzida para os dias de hoje, um email. Aprovado pela equipe das amigas unidas e presente e a par sobre toda a longa história, mandei.

Apesar de tudo, o ser amado sempre se mostrou ser muito sensível, aliás, não é todo mundo que possui sensiblidade para fazer desenhos incríveis, telas maravilhosas, artes que só quem tem coração dançante consegue interpretar.

O email não pedia uma resposta, mas pedia algo do tipo: Ok. recebido o email. Pedia um sinal de vida. Nada aconteceu, nada houve. Depois de cinco dias, a minha resposta veio em forma de um encontro inesperado, na magia da noite, sob os efeitos do álcool, sob o calor do momento.

Mas uma vez fui uma fraca, sem palavra, e acabei no mundo encantado do ser amado. Ouvi palavras lindas, pedidos românticos, tudo perfeito, magicamente perfeito. Voltei para casa ouvindo Lauryn Hill, com o coração soltando fogos.

Mas, mesmo passando mais um momento, eu sabia que nada mudara, e meu coração por mais radiante que estivesse, estava na verdade apertado, preocupado. Bom, decidi fazer uma ligação para saber se o ser amado ia na festa de uma amiga em comum, qual foi a minha surpresa??? Mas uma vez não houve resposta. (um dia eu explico sobre a síndrome do telefone)

Relaxei. Afinal de contas era sexta-feira, e havia duas possibilidades: The Week (o inferno adorável) ou uma festinha na Barra da Tijuca de surf( na verdade tem um nome, mas, agora não me lembro). A festinha na Barra foi descartada na hora, afinal, era quase certo encontrá-lo. Então me encaminhei para a outra opção, que neste dia me pareceu uma das maravilhas do mundo. Ao chegar na The Week, meu telefone toca e adivinha: Minha amiga me dizendo que minha previsão estava correta. O ser amado estava na tal festinha.

Pronto. Já entrei no lugar com cara de ontem, e precisei recorrer ao álcool para a noite ganhar outra cara. Encontrei amigos, me forcei a sorrir e a dançar. Minha vontade era ficar com o primeiro que aparecesse, mas não consegui. Até que a minha amiga sai da tal festinha e vai me encontrar na The Week. 5 hs da manhã, já totalmente sóbria, com uma dor de cabeça daquelas, encontro a minha amiga. Ela vira para mim e fala que ele estava na festa sim, com uns amigos e até onde ela viu, o ponto alto da noite foi um beijo no pescoço que ele recebeu. Depois disso, ir para casa era o melhor que eu tinha a fazer.

Para meu azar, o red bull me fez levantar cedo. As lágrimas percorreram meu rosto o dia todo. Não pelo ser amado, mas por mim. Pois eu era a culpada por deixar a situação chegar a esse ponto. Porque meus relacionamentos me faziam tão mal? Porque eu sempre espero uma atitude do outro? Porque eu só gosto de quem não gosta de mim? Passei o dia me fazendo essas perguntas clichês e numa tristeza de dar dó. Mas, ontem foi aniversário de uma das minhas melhores amigas, não poderia sequer me fechar no quarto e tentar dormir para só acordar hoje. Além do mais, essa era a tal festa que de repente o ser amado fosse.

Fiz aquela super, hiper maquiagem, que esconde qualquer vestígio de olho de sapo ou cara inchada. Coloquei uma roupa e sem perder a classe e a elegância de sempre. Cheguei a festa, mantive a descontração e tentei relaxar. Até que eu vi o único amigo que o ser amado poderia ter ido junto, e esse amigo chegou acompanhado de outra pessoa, o ser amado, não foi.

Fiquei sabendo que esse tal amigo não o chamou. Eu, solicita, fiz novamente um teste. Liguei para o ser amado- Minha surpresa? Dessa vez o celular chamou, mas não fui digna de ser atendida. Deixei recado avisando sobre a festa. Vocês me retornaram? Não, nem ele.

O ponto alto da noite, foi uma conversa que tive com esse amigo dele, onde eu ouvi: "Você é uma mulher como poucas. Você tem classe e elegância, pode conseguir qualquer homem, desde que mude a sua postura, mostre uma postura firme, segura. Caso contrário, todos os homens montarão em você."

Depois disso, me despedi da minha querida amiga e fui embora, para casa.


O tempo é o melhor remédio para curar feridas, decepções. Eu, não posso mais compactuar com esse tipo de relacionamento nocivo, com esse pouco caso, com essa falta de consideração. Amor, carinho, gostar, não se pede. Ou a pessoa têm para dar, ou não têm. Essa história já tinha seu fim decretado no início, mas pela minha teimosia, adiei esse fim. Agora, por bem ou por mal ele chegou. Lamento, lamento de verdade ter passado pela mesma situação de anos atrás, é sinal que não aprendi nada com a relação anterior.

Não se calem, não se submetam aos jogos perversos do amor, saiam da sombra e encarem a verdade! Sejam autênticas e verdadeiras com vocês, dediquem seu amor a quem realmente mereça.

Bom domingo,
Beijos

Lud Figueira

sábado, 6 de dezembro de 2008

Regra número 10: Pense antes de falar !

Ainda sinto o cheiro da esbórnia. O Red Bull não me deixou dormir, a ressaca veio sem piedade, e a lembrança do que aconteceu não me deixa seguir.

Desapareci e topei qualquer buraco, qualquer lugar em que você não estivesse. Sou tola e apaixonada, não consegui trocar beijos, não consegui falar com ninguém, não consegui esquecê-lo num copo de álcool. Quando passei para outro plano astral, uma alma amiga me chamou à realidade e contou-me uma cena, uma cena que você protagonizou ao lado de outra, em outro lugar, naquela mesma noite em que meu coração prevendo tristezas, já tratava de esquecê-lo.


Nas cenas que se seguiram, mostrei minha falta de palavra, minha fraqueza, ao não saber falar Não. Entrei num ciclo vicioso e não sei como sair, não sei entender o que acontece, não consigo mais disfarçar minha decepção com a nova face mostrada.

Quem é você?

Porque enganas com suas palavras bonitas, seu olhar cativante, seu jeito sedutor?
Porque fala coisas na hora, na magia do momento, e depois some, desaparece, faz com que aquele momento tenha sido sem valor, vazio?
Porque?

Complicado sair daquele encontro de olhares, daquela boca se aproximando de outra boca, e não se envolver, e não se entregar. Mas há palavras ditas, conversas ao pé do ouvido, que são uma espécie de música constantemente na tecla para repetir, que nunca esquecemos, e são aquelas faladas pelo outro sem pensar; pois as próximas atitudes não combinam com as palavras trocadas, com o momento que se viveu, se guardou.


O próximo passo, é continuarmos trabalhando para tornar nosso coração uma pedra, comprar um escudo contra as palavras mentirosas, os momentos superficiais e saber dizer NÃO.

Pensar antes de falar evita decepções futuras.

Beijos

Lud Figueira

sábado, 29 de novembro de 2008

Regra número 9: Mantenha sempre o bom humor.

Rir. Só achando graça para não cairmos em depressão profunda! É tanta cara de pau, é tanta escrotidão, é tanta mentira, enganação, atitudes que nos deixam arrasadas, que se a gente não tiver aquele jogo de cintura, aquele velho e bom humor, a gente definitivamente não aguenta!

No primeiro momento, a gente curte aquela tristeza, aquela dor da rejeição, aquele baixo-astral. Falamos com as amigas com aquela voz que parece que alguém morreu. Ficamos sensíveis e por qualquer coisinha desabamos um rio de lágrimas. Mas, até que uma das suas amigas te convence a levantar a poeira, fala para você tudo o que todas as outras falaram e não te deixa outra saída a não ser sair de casa.

Ao começar a contar a história, o porque de você estar mal, as outras começam a contar casos parecidos, e, naquela discussão toda, vocês chegam a seguinte conclusão: Rir é o melhor remédio!
Eles são todos iguais, nós somos todas iguais, o jeito é superar e não se entregar a essas bads!

Manter o bom humor para sair dessas deprês é a melhor saída. Tudo bem, temos aquele momento de querer ficar sozinha e tal, mas não caia de cabeça na tristeza! Nessas horas, as amigas são fundamentais! Sair para beber um chopp e topar qualquer buraco para ir sacudir o esqueleto é a pedida!

Lembre-se: O máximo de tudo é rolar mais uma bad, nada que já não estejamos acostumadas!

Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Um ponto final ou apenas mais uma vírgula?

O que é um ponto final? Quer dizer que acabou, que foi resolvido e deu-se o fim? Mas, tem coisa que uma só pessoa não pode fazer; como por exemplo, terminar um caso mal resolvido.

"Na próxima vez em que eu te encontrar, espero que eu seja forte e não me deixe levar pela magia do momento, pois apenas um momento, apenas uma noite, eu posso ter com outras pessoas assim como você, pois elas não terão a menor importância e eu ficarei tranqüila no dia seguinte- Já com você não, pois eu gosto de você e não saberei lidar com esse tempo, com esse espaço, com esse silêncio."
Arquivo pessoal.

------------------------------------------------------------------------

Não tem nada pior do que você gostar de alguém e não ter absolutamente nada com essa pessoa. A intimidade é momentânea, a vontade , o desejo, os beijos, as juras de amor, é tudo na hora, no momento vivido. O dia seguinte é cheio de incertezas e com o passar do tempo você se acalma, relaxa, para de pensar e passa. Até que de repente, você encontra a pessoa e BOOM tudo volta, todo aquele sentimento lhe invade novamente e mais uma vez, você se rende ao momento que só para contrariar e te deixar mais confusa será mais um momento perfeito e, e só.

Dá para entender? O que acontece? Porque só mais um momento? Se é bom, porque não continuar? Medo de um compromisso?! Mas quem esta falando em compromisso?! As pessoas querem encontros, chopps, arte, beijo na boca, idéias para uma noite inteira! Não precisa ser um compromisso!

Esse lance de "momentos" é interessante, mas é vazio. É ruim você nutrir um sentimento por alguém e saber que por mais incrível que seja "esbarrar" com essa pessoa nesse "mundo de Deus me livre"é e sempre será apenas mais uma noite uma noite. A pergunta é: Porque?

Não sei. Cada dia que passa, tenho a impressão que as pessoas estão ficando cada vez mais loucas, cada vez mais desapegadas e desacreditas.

Mas eu sou daquela turma que não desiste nunca. Alguma hora esse desencontro de vontades acaba, ah! Acaba!

Beijos
Lud Figueira

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

É verdade...

Recebi esse texto por email e gostei muito! Vale a pena ler!

Beijos

Lud Figueira
-------------------------------------


Namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa: - 'Ah,terminei o namoro...' - 'Nossa,quanto tempo?' - 'Cinco anos... Mas não deu certo...acabou' -'É não deu'... Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores. Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? E não temos esta coisa completa. Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel. Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.Tudo nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona... Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... mais um Martini, por favor...e vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família? O legal é alguém que está com você por você. E vice versa. Não fique com alguém por dó também. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento. Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói. Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte. Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo. E nem sempre as coisas saem como você quer...A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias. E nem todo sexo bom é para namorar. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo ruim é para se descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar....Enfim...Quem disse que ser adulto é fácil?

Arnaldo Jabor.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Tudo passa...

Quando estamos envolvidas com alguém e precisamos deixar essa pessoa seguir seu caminho, achamos que jamais vamos conseguir substituí-la, achamos que durante um bom tempo ninguém irá preencher aquele lugar. Mas não é verdade. Assim como uma música: A gente escuta aquela música que faz a gente tremer, elegemos ela a música do momento, colocamos a música para repetir mil vezes, até que escutamos uma música nova e deixamos a outra para tráz. Não esquecemos totalmente da outra, mas damos atenção à nova- Assim são os relacionamentos.

Claro que estou falando de um jeito frio, não estou comentando sobre a dor sentida quando o outro parte, vai embora. Estou apenas simplificando o que nos causa um problemão, várias noites mal dormidas, lágrimas, falta de apetite, e outras cositas más!

Até aquele gatinho que você conheceu no feriado e saiu com ele todos os dias, no estilo "so love" e de repente ele manda: "Então gatinha a gente se fala, adorei o feriado" e some, não se preocupe se ele não ligar, ao menos lhe serve de consolo que você escapou de uma grande roubada!

Ou então bads como seu ex-namorado lhe chama para conversar, vocês voltam, passam uma noite quente de amor, fazem aquele sexo no estilo fazer "as pazes", no dia seguinte lhe acorda com café da manhã e a noite te liga dizendo que não tem certeza sobre voltar a namorar?!

Ou planos feitos em uma mesa de bar e esquecidos ao amanhecer. Relaxa, vai passar.

E por mais na bad que você se encontre, sempre tem alguém pior que você , onde precisarão da sua ajuda e ao ajudar o outro você estará se ajudando.

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Regra número 8 - Saiba conquistá-lo

Parece função do homem conquistar a mulher- Até porque sempre esperamos que parta dele o primeiro passo, a primeira ligação, as primeiras declarações. Mas, nada melhor do que a mulher que sabe conquistar o cara sem ser oferecida, sufocadora e pegajosa.

A mulher que sabe conquistar um homem já possui um diferencial sobre as outras- É a mulher que respeita o espaço do cara, possui um semblante tranqüilo acompanhado de um sorriso daqueles, é atenciosa, sabe falar ao telefone: Não liga só para chamá-lo para sair, liga para fazer uma sutil manutenção, se mostra interessada no que ele tem feito, e deixa em aberto uma futura saída sem ser "pentelha"- Ligar é algo esporádico, ela sabe ligar sem se tornar inconveniente (é fundamental saber falar ao telefone e possuir sempre uma interpretação positiva quando falar com ele no MSN, pois entrar em "bads" porque o "Oi, tudo bem?" que ele disse não teve exclamação ou a interrogação não veio acompanhada de outros três sinais, é dar uma de neurótica para o cara e perder ele na hora!), uma boa pedida é conquistar os amigos- ser simpática, agir naturalmente, saber ouvir e pensar antes de falar é uma boa pedida.

Ir pelas "beiradas". É uma tática que costuma dar um resultado positivo- Surpreender, ou seja, saber se portar em situações como: Encontrar o cara junto com os amigos dele; falar naturalmente sem entrar na neurose de esperar o cara chegar, ficar na sua, relaxar e entender que tudo tem seu momento, mostrar naturalidade e não afobação e desespero; saber interpretar os sinais que eles mandam- pode ocorrer de você se esbarrar com o cara na noitada e ele estiver numa vibe de curtir com os amigos- Seja verdade ou não, cabe a você não forçar a barra e curtir a sua noitada com as amigas e relaxar.

Dar tempo ao tempo. Não se conquista uma pessoa do dia para noite, há todo um processo, um passo de cada vez, é preciso ter calma e focar no alvo desejado. Se mostre como você é realmente, nada de máscaras.

Não faz parte ser impulsiva e agir sem pensar. É interessante mostrar seu lado racional e que além de bonita e simpática, você é uma mulher inteligente!

Beijos

Lud Figueira

sábado, 15 de novembro de 2008

Centro (do Rio de Janeiro) - Perto da porta do inferno...

Há tempos que venho com essa idéia de escrever sobre esse "novo" (quer dizer, novo para mim, porque o "boom" do sucesso já até passou...) point da night carioca, então, aproveitando que a visão que eu tive sobre o lugar está recente, vou fazer um texto tipo "bastidores". Vamos lá...

Uma lugar que só toca música eletrônica, ao chegar, você encontra um pessoal sem camisa! A primeira vez que fui, pensei que estava numa micareta- Aqueles caras "ogros" (estilo academia), sem camisa, com aquela postura: -"vou bater no primeiro que aparecer" ou " sou gay e vim me mostrar" ( nada contra os gays, até porque amo todos, mas esse lance sem camisa é cafona demais, sem noção). Até entendo que faça muito calor- Você se sente na porta do inferno, muito, mas muito calor, mas não é por causa disso que eu vou começar a tirar a roupa!?

Mas, o lance da micareta fica só no estilo, porque a festa de música eletrônica é, geralmente zero a zero- Pessoas desfilam pelo lugar, se expondo, distribuindo olhares e "sorrisos tímidos" e só. Isso me lembrou um tema que há tempos queria falar aqui no blog: Sobre os homens "estrelas"- Vou explicar: Homem estrela, é o tipo de homem que sabe que é bonito (até os próprios amigos reconhecem a "beleza" do camarada) e por causa disso, se aproveitam dessa cômoda "sorte" divina, para se auto rotularem de: os intocáveis! O tipo de homem que olha, olha , olha, nunca chega em ninguém, geralmente elas chegam e ainda levam "foras"- Porque eles se acham muito "bons" para ficar com alguém....O tipo de homem que você nunca vê ficando com ninguém, mas eles estão em todas, você chega a pensar que são até assexuados, tamanho é o auto controle de não ceder aos encantos da noite.... Homem estrela- Jamais render, jamais dar moral, pois isso eles já possuem de sobra!

Continuando essa minha aventura por essa night, é um povo muito doido mesmo- Uma galera pulando, dançando, uma música que, totalmente sóbrio ( quero dizer: sem álcool, entorpecentes e derivados) fica "meio" difícil de aguentar 10 minutos no mesmo "passinho", até porque esse estilo de música não tem uma dança específica, cada um dança de acordo com a "vibração que a música transmite"..muito filósofo...

Ponto positivo que faz toda a diferença: Dá uma galera mais velha! Ufa!!! O que é a noitada no Rio de Janeiro hoje? A galera teen ( nada contra a galera mais nova, mas sinto falta do público mais velho) invadiu todos os lugares! Só nos resta esses eventos de música eletrônica e de repente arriscar sair dia de semana, porque final de semana.... É quase impossível!

Ponto negativo: Essa galera mais velha não quer nada com a hora do Brasil- É UMA GALERA QUE ESTÁ NA PISTA E NÃO QUER SAIR! Mas, milagres acontecem...

Além do calor insuportável, rola uma fumaçada, que parece vir do além, e provoca mais calor além de uma cegueira momentânea. Mas tem uma coisa que eu acho que é o melhor: Não tem fila para comprar bebida e, pelo menos até aonde eu sei, você não tem aquele esquema de consumir com cartão- o que facilita mil vezes na hora de ir embora e não ter que enfrentar aquela fila enorme, quando já se está louca para sair do lugar!

Rola uns caras babacas, umas mulheres marrentas e esnobes, mas é apenas defesa de um e outro- Rola também pessoas educadas e solicitas, ou seja, ambiente normal de noitada.

Em geral, há um povo bonito. Mas, o lugar deixa a desejar por ser muito cheio, muito calor e ser muito permissivo com os freqüentadores (me refiro ao lance sem camisa, essa cena me marcou!).

Apesar de algumas coisinhas negativas, é um lugar diferente do que estamos acostumados, comporta bastante gente, tem uma decoração interessante, e a música é o diferencial- muito boa para quem gosta de música eletrônica, vale a pena conhecer.

Acho que é isso.

Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Regra número 7: Supere sempre as expectativas.

Devo confessar que a idéia dessas regras, surgiu de uma pessoa muito criativa, onde tal compreende bem o mundo dos solteiros. Ao entrar no msn, deparei com esse título e foi a inspiração que precisava para desenvolver a próxima regra.

Dedico essa regra a essa pessoa criativa que mesmo de longe contribui muito para o blog.

--------------------------------

Expectativas - "Esperança fundada em supostos direitos, probabilidades ou promessas."
Dicionário Aurélio

Superar as expectativas... Não diria que seja uma tarefa fácil, mas não é impossível.
Acho que essa é a grande regra que nós mulheres devemos seguir sempre - superar as expectativas de um homem, superar nossas próprias expectativas, ir além do que eles esperam, se diferenciar do "normal", pegar um atalho e seguir outro caminho, conseguir conquistar o inconquistável.

Nesse mundo individualista, sem dia seguinte, momentâneo, essa regra se adequa perfeitamente: Para se atingir um objetivo, ser diferente é a melhor pedida- Ser o oposto do que todos esperam...

De repente superar expectativas pode causar uma interpretação errônea do sentido real- Explico: Ás vezes para conquistar um cara, precisamos demonstrar algo irreal, nenhuma vontade, nenhum sentimento, burlar emoções, jamais ligar, fazer aquele joguinho: "não estou nem ai para você"...

Ou não. De repente superar expectativas seja ser sincera- Não fazer jogos, não brincar com o outro e dizer o que realmente sente, mesmo que você venha a perder, ao menos não estará compactuando com um jogo que, na verdade, já estava perdido.

Todo mundo joga, todo mundo tenta se enganar, fingir ser a mulher maravilha ou o super homem que nunca vão se envolver. Todos já vivem as relacões superficialmente, então porque não dizer a que veio? Porque não falar a verdade? Porque não abrir o jogo?

Supere as suas expectativas e não as dele.
Lembre-se: Não se pode perder o que não se tem.

De qualquer forma, haja fora dos padrões, seja você.

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Hora de mudanças

Estou tentando sair desse assunto, mas parece que atraio vários exemplos... É impossível escrever sobre outra coisa a não ser sobre o dia seguinte. Como assim? Vou explicar:

-- Já está ficando feio para esses homens; ou diria projeto de homens?! Hoje em dia chega a ser engraçado essas juras de amor ao pé do ouvido que esses caras fazem logo na primeira ficada e depois somem. Ridículo mesmo, é a nova moda deles: A mulher que eles saem de vez enquando não é mulher para se ficar em night- eu explico: Porque na night é aonde podem surgir outras mulheres, e mulher repetida você pode pegar fora da night... Juro que é verdade o que estou falando!

Por isso que continuo preferindo os "cafonas"- explico: Prefiro o tipo de cara que deixa claro a que veio, não promete nada, não pega telefone, curte o momento e não ilude e nem faz aquelas promessas do tempo da cinderela! Achamos que eles são escrotos por não pegarem nosso telefone, mas logo entendemos que não é questão de ser escroto e sim de ser sincero.


Mas é tanta história como essa; de caras fazendo esse papelão, que sinceramente começamos a perder a esperança de encontrar alguém legal! O que está acontecendo?!


Outro assunto que rolou nesse final de semana é sobre os homens acharem que como a mulher é de night não é para se levar a sério. Porque? Pois as mulheres pensam o mesmo, que homem de night não é para se levar a sério! Acho que está na hora de homens e mulheres esquecerem esses preconceitos idiotas e entenderem que cada pessoa é diferente da outra e ponto final!

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Ele simplesmente não está afim.

Imaginem aquele cara "tudo de bom": Comunicativo, sedutor, charmoso, inteligente... Só tem um problema: Ele não está afim de você.

Vocês trocam várias idéias, conversam sobre tudo, rola um clima. As horas passam e vocês nem percebem, a sintonia é mesmo muito boa. Mas, no dia seguinte, você foi automaticamente esquecida; e com o passar do tempo, pouco lembrada. Apesar do bom clima; ele não está afim de você.

De repente vocês se falam, rola uma super conversa; mas nenhum convite, nada de concreto, nenhuma aproximação.

Vocês ficam, praticamente um encontro "mara" (maravilhoso), adivinhem o que acontece depois? O super cara some, e você entende que: Ele não está afim.

Ouvi algumas histórias de casais que de repente tinham tudo para não estarem juntos, devido a um começo complicado, mas foi provado em todas as histórias que HOMEM quando quer, procura, liga mesmo, não está nem aí. Outra coisa percebida e muito importante: HOMEM adora ver a mulher com outro. Calma, vou explicar: HOMEM quando está "ficando" com a mulher, ainda mais aqueles que têm certeza de que a mulher está na "mão", quando vê a tal nos braços de outro, fica louco! É coisa de maluco, mas infelizmente é aí que eles percebem que gostam da mulher, ou de repente se sentem na obrigação de dar a volta por cima, o famoso troco. Impressionante.

Calma. Nem todos são assim....

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Saber ficar sozinha!

A pauta do final de semana foi aprender a ficar "bem", mas, sozinha. Tudo bem. Sabemos que é algo muito difícil, mas melhor assim do que de repente reatar um relacionamento que já andava "mal das pernas".

A grande questão é que: Os homens estão na melhor fase! É tanta oferta, tanta mulher (comprovado que há muito mais mulher do que homem), que apesar de rolar de sair com alguém e ter sido maravilhoso, eles preferem não repetir o encontro por saberem que no dia seguinte terão de repente um momento tão bom quanto com outra mulher! Exatamente assim que anda funcionando!

Está demais! Não se pode esperar nada. Quanto mais perfeito o encontro, menos chances de acontecer novamente. É algo muito louco de se pensar...

Falando em pensar, uma coisa os homens têm razão: Pensamos demais, achamos demais, nos preocupamos demais, dramatizamos demais, sofremos demais, demais, demais!

Exemplo: Os homens agem assim: Saíram com a garota. Passaram alguns dias (muitos por sinal) de repente eles se lembram da gata que saíram há um tempo atrás. Resolvem ligar e chamá-la para sair. Simples assim. Já as mulheres agem assim: Saem com o cara. Passaram alguns dias (muitos por sinal) e pensam: "Poxa! o cara não ligou, nossa! mas o momento foi incrível, o cara fez altas declarações e tal, eu também não vou ligar! Nada haver! já se passou muito tempo! Além do mais o que ele vai pensar de mim? nem pensar!"

A gente pensa em tudo, eles são práticos e agem sem se importar com o que vamos pensar. Eles deixam rolar... Eles deixam rolar...

Ou acabamos com esse ato maldito de ficar pensando em tudo e começamos a agir de acordo com a nossa vontade, ou vamos enlouquecer! Porque não dá para entender os homens assim como eles não conseguem nos entender!!!

Vamos nos respeitar! Façamos a nossa vontade! O máximo que pode acontecer é levarmos um Não! Ao menos vamos nos libertar desse silêncio que nos mantém prisioneira nesses casos mal resolvidos!

Beijos

Lud Figueira

sábado, 1 de novembro de 2008

O que acontece?!

Nós sabemos quando um encontro é perfeito e quando não é. Temos noção do que o outro achou. O porque de não dar continuidade? O que acontece? Qual é o mistério que cerca esse silêncio pós encontro perfeito???

Você saiu com o cara, conversaram, deram risadas, o ambiente super descontraído, altos beijos, um clima super ameno, tudo ótimo. Dá para sentir se o cara curtiu ou não, você sente a real, hoje em dia você é mais realista, não se ilude com palavrinhas bonitas, você sabe o que está rolando; então qual é o problema de um segundo encontro?

Medo? De repente de se envolver? De acabar gostando?

O pior é quando rola os "espaços". Você saiu com o cara, como já disse tudo perfeito, aí passam duas semanas o cara te liga e a chama para sair, acontece mais um encontro maneiro, e aí? De repente daqui a duas semanas o cara te liga denovo?! É assim? Será porque quando rola esse intervalo de tempo, dá para levar a situação com menos intensidade e o risco de se apaixonar é menor? Como assim risco de se apaixonar menor? Tudo é um risco, não tem essa de menor ou maior, relacionamento é um risco.

É um papo de maluco! Você começa a pensar nas explicações mais loucas, tipo: --Ah! De repente o cara se amarrou, mas ele está em outro momento, outra fase, e não quer me machucar, ou, --Pô, ele simplesmente não está afim, tem meu telefone, não me liga porque foi só um momento, foi só apenas mais um momento, nada que tenha realmente significado, ou, --Hum, vai ver ele achou que possa rolar um futuro e não quer ficar comigo agora para não saturar a relação e estragar algo que possa render bons frutos mais tarde, ou, --Relaxou, quem quer não espera nada, quem está realmente afim corre atrás. O que pensar?

Ao sair com um cara, dá para sentir o que rola, há sinais que indicam o que está acontecendo. Só se engana quem quer. Até acredito que quando você passa um momento que não tem como achar defeito, o momento simplesmente é bom, acredito que o cara perceba o mesmo, a questão é: Estou afim de dar continuidade? Quero ver denovo? De repente não é melhor deixar rolar?

São muitas dúvidas para algo tão simples. A verdade ainda continua sendo uma só:
- Quando se está afim de alguém, você não se liga em fase, você quer estar com a pessoa, até porque você não escolhe quando vai gostar de alguém, é algo que acontece. Quando se quer realmente, o cara corre atrás e a mulher deixa claro, sem dúvidas.

A mulher vende o produto e o homem pensa se compra ou não. Que inversão de valores...
Saia dessa dependência, saia desse ciclo vicioso: Não se iluda com silêncios! Houve espaço? Não houve retorno? Saia o quanto antes dessa roubada!

Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Alguém tem que ceder...


"... o segredo que mantém tantos casais unidos: homens se sacrificam, mulheres se sacrificam, e fica mais tempo junto o casal que tiver o maior potencial de generosidade."

Martha Medeiros

----------------------

Essa é apenas uma frase de uma crônica cheia de grandes verdades sobre a vida à dois. Realmente é importante haver num relacionamento equilíbrio, haver concessões, haver um trabalho em dupla e não de uma única vontade.

O mais comum que acontece é o cara ou a mulher começar a inibir seus desejos, suas vontades com medo de desagradar o outro. A verdade é que um acaba se anulando e assumindo a identidade do outro. Na verdade isso é o grande erro; o interessante é ser como você é, aliás, o outro lhe conheceu desse jeito, foi o que o chamou atenção, ninguém quer namorar com praticamente a própria sombra!?

Para manter a harmonia reinando no relacionamento, é importante saber entender e ouvir o outro. Interessante prestar atenção no que cada um gosta, respeitar o espaço do outro, saber ter confiança.

Por exemplo: Se você adora jogar aquele futebol toda quinta à noite, porque ela não pode aproveitar esse tempo para ir beber um chopp com as amigas? Claro que, nenhum dos dois precisa abusar, basta saber manter uma vida também fora do relacionamento, ou seja, tirar um tempo para a família, amigos e principalmente para você. Um relacionamento feliz não é aquele onde as pessoas passam 24hs grudadas fazendo juras de amor e sim, vivendo suas vidas juntas e também sabendo dividir horários e levar cada um, vida própria.

É preciso está feliz num relacionamento para fazer o outro feliz. Não adianta fazer todas as vontades do outro só para agradá-lo e esquecer-se de você, do que gosta, do que quer. O outro precisa saber o que você quer, o outro precisa ouvir mais você, o namoro é feito de duas pessoas e não só de uma.

O medo de perder o ser amado faz com que nos esqueçamos de nós e passamos a viver só para o outro. É aí que pecamos. Jamais podemos esquecer nós mesmos, jamais podemos nos calar com medo de perder, jamais devemos aceitar migalhas por medo de ficar só. Amor próprio, saber respeitar nossos limites, nossas vontades, ter voz.

Saber encontrar o tom entre a paixão e o amor, entre agradar e se agradar, entre dar e receber.
Conhecer o outro, saber ceder, saber amar...

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Vida que segue...

Entre erros e tentativas frustradas, fez-se o fim. Mas, a vida continua.
Durante um tempo, as lembranças ficam rondando, se fazendo presente, em alguns momentos você cai numa nostalgia profunda, em outros você nem se quer lembra de nada...

Senti as lágrimas da decepção, daquela tristeza interior, daquele frio que não passa;
Não senti tanto a perda, até porque já estava sem; mas senti as palavras duras que me invadiram, me machucaram, simplesmente foram entrando e causaram um enorme estrago.

Mas, no dia seguinte, não havia sequer uma gota para contar história. O rosto acordara sem vestígios de uma noite mal dormida. Era um novo dia, era um novo começo, era uma menina, talvez uma menina grande, dando a volta por cima.

Essa menina grande continua sua caminhada, sua viagem para encontrar aquele que possui a metade que ela precisa para achar o amor, a verdade, a reciprocidade, a felicidade.
Ela segue, vence uns obstáculos, tropeça em outros, mas não desiste, ela luta, ela cai e levanta, ela se entrega, sente um mix de medo e prazer, ela acredita, ela acredita.

Todo mundo precisa de um amor.

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Regra número 6: Espere o primeiro contato - Fique longe do telefone.

Telefone...

Ás vezes acho que esse meio de comunicação tão valioso nos faz regredir. Já repararam como ficamos loucos sem "ele"? Tudo acaba girando em torno de uma simples ligação - Se a tal ligação ocorre, damos gritos de alegria ou então nos causa uma profunda decepção; se a ligação não ocorre, a tristeza se instala mas, ao menos, não alimentamos esperanças e falsas ilusões.

Não podemos negar, mas o primeiro passo sempre esperamos que venha do homem. Mesmo para as mulheres mais independentes, modernas, esperam por tal atitude. Se valendo desse cômodo costume, os homens acabam "brincando" com essa terrível espera, e fazem desse primeiro contato algo muito importante: Se o homem liga, mesmo que seja depois de uns três dias (prazo referente à primeira ligação), é um sinal positivo, aliás ele a escolheu, ligou para marcar de conhecê-la melhor, com certeza você foi aprovada para a próxima fase.

Agora se você faz exatamente o oposto, ou seja, não espera o cara ligar e dá o primeiro passo, GERALMENTE, causa um leve desinteresse - O homem gosta desse jogo da conquista assim como nós, mas se eles encontram tudo pronto, perdem o interesse e desfocam de repente de um algo a mais...

Como disse, geralmente é o que acontece. Mas é claro que existem homens que gostam dessa liberdade, dessa procura feminina. Mas o corriqueiro é o homem fazer o primeiro contato. O porque disso nos faz voltar há uma época bem bem distante que ainda se faz presente.

Claro que, depois desse tão esperado contato, uma ligação da mulher não "pega mal". Ou seja, é até interessante haver uma ligação, faz parte desse jogo da manutenção. Se bem que vale lembrar que dependendo do cara que está se relacionando, fazer o tipo "não tô nem aí" é válido.

Por via das dúvidas, fique longe da tentação do telefone, e se distraia. Superticiosos dizem que não é bom também ficar "colada" ao celular, tentar relaxar é a pedida!

Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Regra número 5- Nunca duvide da sua intuição

Com certeza não é de hoje que ouvimos falar sobre a poderosa intuição das mulheres. Mas, nem sempre damos a devida atenção que “ela” merece. Pois bem, quando isso acontece pagamos caro, mas também aprendemos a lição.

Entrando no mundo dos relacionamentos, digamos que a intuição nos passa algo duvidoso; até porque quando estamos nos relacionando com alguém a nossa percepção sobre determinados assuntos fica “meio” alterada, e acabamos naquela dúvida:- “Será que ele está falando a verdade? Será que isso não é coisa da minha cabeça? Posso está ficando maluca....”

Nada como escutar quem está vendo de fora, quem vai dar uma opinião sem está sentindo aquele turbilhão de sentimentos. Claro que nem sempre quem está de fora dá o melhor conselho, mas depois de duvidar da própria intuição, a boa é buscar a ajuda dos amigos.

Eu, por exemplo, sou daquelas pessoas teimosas, que pagam para ver. Ás vezes gostaria que minha intuição errasse, mas é só algo de novo acontecer para “ela” vir e não sair mais de perto! Geralmente a minha intuição é igual conselho de mãe: Nunca erra! Sei que deveria ficar feliz com isso, mas ás vezes, nós mesmos demoramos para sair daquela fantasia criada, daquele suposto mundo perfeito... A realidade na maioria das vezes é bem cruel.

É tanta malandragem por aí, que nem sempre as coisas são o que parecem. Ás vezes tudo aponta negativamente para uma pessoa, não adianta o que ela faça, não passa confiança a ninguém. Mas, ela até pode ser uma pessoa do bem, mas de repente alguma coisa na sua maneira de agir, falar ou pensar, faz com que ela não passe credibilidade a ninguém.

Bom, em todo caso, siga sua intuição. Geralmente coisas mal resolvidas, começos complicados, histórias mal contadas, pequenas mentiras (ou pequenas omissões), já é o primeiro passo para aquela “pulga“ ficar atrás da orelha e tirar nosso sossego!

Nesse fantástico e dramático mundo dos relacionamentos, todo cuidado é pouco!

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Uma nova chance

Foram duas semanas afastada do blog. Morri de saudades, mas tem horas em que precisamos sair de férias, dar uma circulada, mudar de ares.
Semana passada foi meu aniversário. Fazer 25 anos (um quarto de século) me deixou sem ânimo para comemorações. Mas não posso reclamar, foi uma semana bem movimentada: Quem deveria ter ficado se foi; quem havia sumido, voltou; quando não se espera nada de uma noite, à noite te encanta com surpresas...

O domingo chegou e com ele meus milhões de pensamentos. Na verdade andei por um bom tempo perdida, tentando me encontrar nesse mundo de desencontros, nesse mundo cruel e vicioso mundo dos relacionamentos. Andei testando bocas, conhecendo camas, fazendo apostas, experimentando talvez, um novo estilo de vida. Até que resolvi parar.

Em minha cabeça, uma presença constante me perturbava. Resolvi arriscar, talvez recomeçar um jogo do qual eu havia perdido. Deu certo. Fui aceita no jogo e ao chegar no local marcado me surpreendi, me apaixonei, não acreditei, me entreguei ao doce e amargo momento.

Adoro a manhã seguinte. É relembrar momentos de uma noite especial, de algo simples e inesquecível. De beijos perfeitos, arte e suor. Do cheiro da pele, do gosto do beijo, das palavras, dos carinhos, da intimidade momentânea.

Os dias passaram e a lembrança foi aos poucos caindo no esquecimento. De repente não fiquei com pena de mim, não me achei uma coitadinha e assumi para mim mesma: Sou sim uma colecionadora de momentos. Sou sim. De repente senti um alívio estranho, e parei de fazer planos. Parei de esperar. Apenas parei e encarei meu fantasma de frente.

Descobri o que gosto. Descobri o que quero. Não preciso mais ficar procurando ou me expondo em algum evento por aí. Não participo de disputas, odeio jogos de ciúmes, e se não valer a pena, abandono o jogo antes do final.

Foi uma semana longa. Mas não poderia ter começado de uma maneira tão curiosa como começou. Estou feliz por ter arriscado. Não me sinto voltando para o antes, para o igual. Sei que posso perder novamente, mas entrar de novo no jogo valeu à pena.

------------------------------------------

Assisti á um filme muito bom: “P.s: Eu te amo”- Fui às lágrimas, mas valeu à pena.
O filme mostra o verdadeiro sentido da palavra AMOR. É uma lição sobre o mundo dos relacionamentos, faz com que todos parem e pensem sobre coisas que realmente fazem sentido, de repente começamos a achar tudo muito vazio e sem cor e vemos que estamos compactuando para esse mundo de desamor e de ilusão.

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Regra número 4: Mantenha o foco- Saiba o que você quer!

"Tudo o que quer me dar
É demais
É pesado
Não há paz
Tudo o que quer de mim
Irreais
Expectativas
Desleais"

Vanessa da Mata e Ben Harper- Boa Sorte
-------------------------------------------

O tempo andou nublado. A previsão anunciou pancadas de chuva e muito frio. Tudo ficou difícil, complicado e sem graça. Como mudar esse cenário? Como tirar o time da zona de rebaixamento? Como começar denovo?

Ficamos perdidos no meio dessa confusão de sentimentos, desse mix de diferenças, dessa novidade... As vontades não estão muito claras, a pressão do outro lado ganha cada vez mais espaço e a mudança fica para outro dia, para outra hora, para outra estação.

Como tentar? O que tentar? Esta sendo oferecido um mundo mais real contra um mundo cheio de parques de diversão, bebidas, saunas e outras coisas que o mundo moderno pode oferecer.

Há um coração disposto a tentar sempre, ele mais parece o time do fluminense, sempre acredita! Mas, não se pode lutar sozinho, tudo tem seu limite.

Está havendo um problema de comunicação, precisamos solucionar o problema. Sugiro que se espere, que se analise e veja se vale a pena permanecer em campo, se vale a pena continuar de onde parou...

Você sabe de verdade o que quer? Não se pode ter tudo, já pensou nos dois lados? Difícil? Se está em dúvida é melhor não decidir nada e ficar no mesmo lugar, sua hora de sair desse ciclo vicioso ainda não chegou.

Estou de volta à realidade.

Beijos
Lud Figueira

domingo, 12 de outubro de 2008

OFF- LINE

Não quero conversar, não quero mais falar, quero ao meu lado somente o silêncio. Quero um tempo, mas não quero pensar em nada.

De repente ontem me senti mal. Olhei a minha volta e vi um tempo que para mim já havia passado. Me senti excluída, me senti sobrando, mesmo estando acompanhada. Realmente, isso para mim já passou. Mas sei que para muitos é importante, é o momento, é a fase, a hora de fazer tudo, a hora é agora, ontem essa diferença pesou. De repente parei, e prestei atenção nas pessoas à minha volta: Vi em cada "menina" um pouco dos anos que passaram, reparei em cada uma, vestindo roupas de gente grande, desfilando as melhores marcas, com a maquiagem carregada, seus cabelos alisados, a postura de estar pronta para tudo, elas fazem, elas querem, elas são "ratas", são oferecidas, mas elas não estão nem aí, não respeitam ninguém, elas são mais elas.

De outro lado, "meninos" sedentos pelo clima da noite, aquela ilusão: música, bebida e mulheres. Beijos roubados, danças sensuais, pegar, pegar e pegar muita mulher. Cheguei ao ouvir:- Hoje eu quero uma night suja, vou para guerra. Realmente não tem nada demais, mas não combinou com minha cabeça, com meu momento, com minha idade. claro que gosto de sair para dançar, mas ali, não era meu ambiente, não era a minha turma, infelizmente não era.

Lembrei dos meus 18 anos, do meu primeiro carro, da meu primeiro ano na faculdade, das chopadas, da minha vida de sair de segunda a segunda, de eu ser de todo mundo e de ninguém ao mesmo tempo, de grandes nights, das festas de hiphop no Pier Mauá, no Armazém, nossa... É a melhor fase da vida de uma pessoa, a hora de curtir, de aproveitar tudo, de fazer "merda", de se jogar no mundo é agora, o momento do outro é esse...

Passou. Uma vez ou outra é até legal, mas jamais no ritmo que já foi um dia. Não me senti bem naquele lugar, queria sair correndo, queria voltar para casa, não queria mais olhar para aqueles meninos e meninas que pareciam os atores do seriado Gossip Girl.

Todos tentamos. Mas morremos na praia, pois não deu para segurar a onda.

beijos

Lud Figueira

sábado, 11 de outubro de 2008

Em busca do equilíbrio, da calma e da paciência...

Hoje a consultoria vai ser para mim. Preciso escrever para ver se compreendo essa minha oscilação de humor, essas minhas atitudes ultrapassadas, e da onde surgiu esses sentimentos confusos, essa insegurança? Cadê aquela mulher destemida, corajosa, livre, leve, que sabe colecionar momentos sem esperar nada no dia seguinte? Cadê aquela mulher sensual, que conquista cada pessoa com um belo jogo de caras e bocas? Cadê aquela mulher independente, amante, insaciável, que adora luzes, música e rua?

Ultimamente tenho visto uma mulher em dúvida, tensa, cheia de medos, parecendo uma garotinha de 15 anos. Acho que não estou sabendo ser "leve", ando exigindo muito de mim, das pessoas, coisas que nem eu consigo ser, consigo fazer.

Estou me sentindo"melosa", grudenta, na verdade, uma "garota enxaqueca"! Ando reclamona, encrenqueira, mandona e o pior: ciumenta! Que fase, nem eu sabia que poderia sentir esse sentimento tão cafona, tão bobo!

Eu não sei o que está acontecendo. Isso me deixa em pânico, porque fico me perguntando o porque dessas atitudes sem nexo, o porque do meu comportamento desigual, o porque de tanta atitude infantil, porque?

Pensei, e vi que ando quebrando regras. Na verdade estou passando por uma situação tão diferente, tão nova, que não estou sabendo lidar. É verdade, não estou sabendo lidar com essa situação nova, com essas diferenças, com essas conversas, com esse estilo de vida.

A impressão que tenho é que preciso matar um leão todos os dias para poder conseguir, para poder estar, para poder encontrar, para poder ficar com o outro.

De repente eu me sinto assim devido a um começo turbulento, cheio de interferências... Me tornei uma pessoa desconfiada, com total pé atrás.

Ás vezes acho que estou exigindo uma postura, uma conduta de alguém que ainda não tem, de alguém que não pode...

Me sinto pisando em ovos. Outro dia fiquei pasma com a postura dos amigos, depois com essa obsessão por mulher, cheguei ao ponto de ficar chateada com um simples site de relacionamento! Realmente não estou bem. Perdi totalmente o controle, estou ao ponto de pedir para sair do jogo, pois não estou me fazendo feliz e nem estou proporcionando felicidade ao outro.

Estou quase me rendendo à torcida do contra, é tanta dificuldade, é tanta energia negativa que não há como um simples romance sobreviver.

Eu peço desculpas, mas sempre vivi sozinha. Se já gostei de alguém, pode ter certeza que muito do sentimento foi vivido platônicamente. Não sei o que é ter que falar com alguém todos os dias, combinar saídas, dividir certas coisas, intimidades, incluir alguém em seus programas, na sua vida...É bem complicado. Me acostumei a viver só comigo.

De repente estou me importando com todas essas questões pois estou em pleno inferno astral, a proximidade de ficar mais velha está acabando comigo. Por isso, não farei nada, deixarei o tempo me mostrar o que fazer. Não sou boa em decisões.... Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos...

Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Sexo, sexo e mais sexo!

Importante, essencial, diria que é 70% no relacionamento. Ou é bom, ou é ruim, não existe "mais ou menos".

A mulher precisa ser compreendida na cama. Não adianta chegar lá, dar uma rapidinha e acabar; sem rapidinhas! Mulher gosta de um romance, de uma conquista, de um jogo de olhares, daquele clima quente no ar, daquele amasso gostoso, daquela mão sem destino... É claro que tem horas em que precisa-se de uma certa velocidade, de uma loucura, mas nada como aquela "tortura", aquela segurada no prazer para se dar mais prazer ao outro. O interessante são os dois sentirem prazer.

É complicado. Porque como as pessoas estão cada vez mais individualistas, o sexo não é mais aquele prazer à dois; é cada um por si, não tem mais aquela preocupação com o outro, o cara quer gozar, não quer esperar a mulher, ela que procure se satisfazer como puder. É um pensamento "escroto", mas que faz parte da cabeça de muitos homens por aí.

Tudo bem que na primeira vez, o homem está sob aquela pressão de transar com a mulher que há tempos ele só imagina como seja, então é normal que seja algo mais rápido; mas nada que o homem não compense na segunda vez. Mas, ficar no "rapidinho" toda hora, é uma falta de consideração com a mulher. Tempo, saber o tempo dela, como satisfazê-la, são cuidados gentis de um homem para com a mulher.

O sexo não tem hora, mas para alguns tem lugar. É interessante respeitar a vontade do outro, mas se ambos gostarem de aventuras, explorar lugares pouco convencionais, anima qualquer relação.

Importante é, sem dúvida, aquele carinho pós sexo. É uma comunicação por atitude, do tipo:-- Que bom estar aqui com você!, te adoro ...Que toda mulher adora sentir, saber, ouvir. É um tipo de segurança momentânea, por mais que seja um jogo mentiroso do homem, naquele momento a mulher se sentiu segura, já é alguma coisa.

É preciso deixar claro que não estamos falando de sexo casual, estamos falando de um romance, de uma relação, de um algo a mais. Sexo casual, faz mais o estilo do sexo individualista dos dias de hoje, aquele sexo pós night com alguém que você nunca viu na vida e provavelmente nunca mais verá, ou do homem que sempre tem as "amigas" no celular para os dias solitários, ou da mulher que tem aquele P.A (desculpem o termo: um Pau Amigo). Esses tipos são os mais comuns, por isso, falta romance no mercado.

Um bom sexo prende muita gente a um relacionamento. Um bom sexo, uma boa química, é algo pouco inteligente, pois faz com que as pessoas fiquem "burras" e comecem a pensar com a parte de baixo e não com a cabeça. É importante definir o tipo de relacionamento que você tem, para não se iludir, não misturar as estações e não esperar demais de alguém que não pode te dar o que você realmente precisa.

O sexo não deixa ninguém pensar e cuidado: É um péssimo conselheiro! Risos!

Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Ele tem 19 anos... E daí?

Uma vez, uma amiga me pediu um texto sobre diferença de idade. Pedi que me contasse sua história, assim teria chance de desenvolver um texto sobre tal. Lembro que não consegui escrever, porque a situação dela era tão complicada, que achei melhor amadurecer mais meus pensamentos a respeito desse assunto, ou melhor desse preconceito sobre se relacionar com alguém mais novo.

------------------------

Preconceito, diferença de fases, "cada um no seu quadrado", turmas diferentes... Enfim, diferença de opiniões.

Já repararam como que para os homens é tudo mais fácil? Se eles se relacionam com alguém mais novo não há problema, agora quando é a mulher que está saindo com alguém mais novo, a casa cai! Qual é o problema?

Na verdade, tudo é questão de esclarecer pontos de vista. Para o homem, é natural a mulher ser mais nova, aliás homem tem aquele machismo de mulher depender , mulher precisar, mulher frágil, sem contar que é moda o homem de 40 anos por exemplo ter duas "gatinhas" de 20.
Para nós, existe um certo preconceito, para muitos chega a ser vergonhoso. Porque? O importante não é que os dois se gostem? Que mal há nisso?Vergonha??? Vergonha é se render a preconceitos ultrapassados!

Não é fácil para a mulher ter um relacionamento com alguém mais novo. Eu diria que a mulher vive numa constante oscilação entre a segurança e a insegurança em relação ao outro. Pois as fases são diferentes, e a mulher quer sempre um compromisso, faz planos, estipula prazos, enquanto que os homens "deixam rolar". Precisa-se de paciência para entender a diferença de fases, respeitar o momento do outro, e nunca querer mudar alguém.

Ou assume uma relação como essas e encara de frente o preconceito, as risadas, os momentos constrangedores sem permitir essas interferências, ou cai fora! Deve existir um equilíbrio no relacionamento, um base pautada pelo sentimento, pelo respeito e principalmente pela confiança!

A idade é um número, tem lá seus minutos de fama, mas é facilmente esquecida por atos e atitudes. Pare de prestar contas da sua vida para quem não importa, o importante é o que você quer e não o que os outros acham.

Quando se gosta, aprende-se a valorizar o que realmente importa, o que vale a pena...

Entregue-se!


Beijos
Lud Figueira

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Regra número 3: Não passe vontade!

Sei que vocês estavam ansiosos pela regra número 3. Aos poucos vou revelando essas regras que fazem parte dessa gostosa conquista, que todos reclamam, mas todos adoram!

Foco. É importante ser uma pessoa focada. De repente você saiu com um cara, mas ficou algo no ar, de repente nem é alguém que você queira ter um "romance", mas alguém que você quer ter uma noite, um momento, de repente algo puramente sexual, não importa: Primeiro saiba o que você quer.

Focada, fica mais fácil de saber o que fazer. Já está mais do que provado, que assim como homem tem um fraco por "piranhas", nós, mulheres, temos um fraco por "cafonas" ( o sassaricador )então precisamos saber fazer o jogo, para saber ganhar e não perder, até porque se tratando desses caras não temos nada a perder.

Não é por nada não, mas esses caras têm um quê a mais, um jogo de cintura, uma lábia, um jeito gostoso de fazer... Eles não são de dar muita atenção, fazem o jogo deles, quem for focada e saber o que quer, se sairá bem.

É o tipo de cara que você não precisa falar, basta saber fazer, saber o que quer. É o cara que faz você se sentir nua mesmo estando vestida, que te olha e você sente um arrepio percorrer seu corpo, você não pensa, você faz, você não espera, você vive. Simples assim. Que gostoso...

Quanto mais difícil, mas excitante o jogo fica. E, quanto mais complicado, mais vontade sentimos, com mais tesão ficamos, e tudo se torna mais interessante...

Cuidado para não perder a mão e passar muito tempo. Tem coisas que só a intensidade explica.
Claro que quando um não quer, não rola. Mas, nesse tipo de relação, você não tem nada a perder.

Não passe vontade,

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

É O Que Me Interessa/ Lenine

Daqui desse momento
Do meu olhar pra fora
O mundo é só miragem
A sombra do futuro
A sobra do passado
A sombra é uma paisagem
Quem vai virar o jogo e transformar a perda
Em nossa recompensa
Quando eu olhar pro lado
Eu quero estar cercado só de quem me interessa

Às vezes é um instante
A tarde faz silêncio
O vento sopra a meu favor
Às vezes eu pressinto e é como uma saudade
De um tempo que ainda não passou
Por trás do seu sossego, atraso o meu relógio
Acalmo a minha pressa
Me dá sua palavra
Sussure em meu ouvido
Só o que me interessa

A lógica do vento
O caos do pensamento
A paz na solidão
A órbita do tempo
A pausa do retrato
A voz da intuição
A curva do universo
A fórmula do acaso
O alcance da promessa
O salto do desejo
O agora e o infinito
Só o que me interessa

-----------------------

Beijos
Lud Figueira

Procurar, procurar, procurar e morrer na praia..

Tem coisas que não adianta forçar. Tudo têm sua hora, se você ainda não encontrou seu príncipe encantado não se desespere: Quando você cansar de procurar, ele aparece, e o melhor, só para contrariar, virá acompanhado de vários outros pretendentes! Escolha o melhor, ou mande todos para o inferno!

Ás vezes a gente quer muito uma coisa, quando acontece incrivelmente já não tem o mesmo valor, parece que perdeu a graça...Concentramos todas as nossas forças em conseguir algo, mas será que é isso mesmo que queremos?

Nos filmes, os romances são mais criativos, mesmo previsíveis, conseguem nos emocionar, já na vida real, nada nos emociona mais, são sempre as mesmas histórias...

Precisamos de mais criatividade e menos normalidade.

Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Saber deixar alguém gostar de você.

Sinto cheiro de coisa nova. Está na hora de deixar o sol entrar, renovar idéias, dar adeus ao passado, a idéias ultrapassadas... Manter a mente aberta, se permitir gostar de alguém e aceitar a possibilidade de algo novo em nossa vida.

Estamos tão acostumados a não dar continuidades aos encontros, a não ligar, a não procurar, a jogar, a viver pela metade, a não se entregar, que ás vezes acabamos perdendo uma boa oportunidade, uma chance de sair desse vazio, uma chance de conhecer alguém; alguém que valha a pena, algo praticamente raro, que se prestarmos atenção pode estar ao nosso lado.

A felicidade se tornou tão escassa, que quando "ela" bate em nossa porta, demoramos para abrir, tamanho é o susto, o não acreditar que, a felicidade chegou, demorou, mas chega para todos.

Chega de se machucar, de perder tempo com quem não está a fim de você, com alguém que na real, não quer nada sério, está apenas passando tempo! Saia dessa bad!

Dê uma chance ao novo, permita deixar alguém conquistar seu coração, sem precisar fazê-lo sofrer. Saia dessa sina de "mulher de malandro"!

Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Comunicado

hoje, nas bancas, sai uma matéria minha no Jornal do Commercio.

Uma matéria sobre as diversas Tribos entre os jovens!!!

Confiram!!!!

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Mudanças em vão

Por André Paez


Ele achou que poderia dar certo
Ficou feliz com a novidade e se cuidou
Repensou a vida, repensou as atitudes, caprichou no comportamento
Fez destas mudanças o seu mais novo desafio
Acreditou mais uma vez que nada seria em vão, e se empenhou
Quis esperar um aceno qualquer, para confiar na sua decisão
Fez dos seus novos planos uma maneira de viver melhor
Abriu mão de atitudes que certamente o comprometeria
Deu sentido ao coração, tentando esquecer as dúvidas
Mas as dúvidas foram persistentes e elas falaram pelo seu coração
Elas trouxeram a inquietação, a pressa e o erro nas suas decisões
Mas tudo por culpa de um único motivo: a ausência de sinais
O silêncio ganhou destaque, fez o que quis e como quis
Deixou um mar de incertezas e perguntas
Um mar revolto, onde o barco da razão jamais havia navegado
E ela sem culpa, meio sem saber, meio sem entender, meio sem vontade
Meio dividida, meio metade, meio imperfeita, meio distraída, meio sei lá...
E meio a isso tudo, nada fez
Até percebeu as mudanças, até percebeu o empenho, mas só percebeu
E de novo, nada fez
Cada um pra um lado, cada lado sem o outro, cada um na sua, cada qual
Ela pediu um tempo ao mundo. Até pensou que ele poderia esperar.
Mas o tempo passou (como tudo que passa)
E de que valeram essas mudanças?
Será que valeu em algo essa transformação?
Perguntas...
Decidiu seguir, decidiu levar à frente essas mudanças
Está decidido
Eis que surge uma nova personalidade, repleta de sentimentos castos e sensíveis
Mas que não serão remetidas a ninguém
É fato, é peculiar, é dela
Porém, isto serviu pra algo, serviu como prova, como experiência, talvez
E essa não será a primeira vez. Alguém vai perceber essas mudanças
Elas não aconteceram inutilmente
Se ela vai voltar?
Não sei. Mas ele mudou...
...e passa bem


Beijos
Lud Figueira

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Fase Cafona !!!

Regras:

1- Nunca chama a "gatinha" pelo nome. Usa sempre apelidos carinhosos: Fala princesa! Oi, coração! Fala minha rainha! Deusa...

2- Na hora H, gostam de sexo "pornograficamente" falado. (Ou seja, fazem perguntas do tipo: Está bom? , Está gostoso? E outras perguntas impróprias para este horário, pedem elogios e costumam se olhar bastante, auto elogiando a performance.)

3- Gostam de ostentar, na night adoram pedir bebidas, mesa, para atrair as famosas mercenárias.

4- Adoram aparecer, adoram ser o centro das atenções e adoram uma briga pós night.

5- Gostam de mulheres no estilo "glamurosa", rainha do funk, de preferência com o bumbum da mulher melância, "sandalinha de cristal" também está valendo,

6- Possuem carros geralmente grandes, com dvd, mini-frigobar, teto solar e todas aquelas cafonices.

7- São super sinceros, conversam sobre suas outras mulheres, possuem relacionamentos abertos.

8- No meio disso tudo, ainda são marrentos e "oprimem" qualquer pessoa.

9- Possuem uma boa lábia, adoram jogar e sempre acabam dando a cartada final.

10- Possuem um "fraco" por "piranhas".(desculpem o termo)

Obs: Possuem coleira, pulseiras e anéis, mas são de ouro amarelo, no estilo bicheiro.

Beijos

Lud Figueira

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O "doce" azedou...

As pessoas precisam se decidir. O que não dá mais é manter esses "casinhos" por tempo indeterminado.

Você fica uma vez, fica duas, fica três, num intervalo de 1, 2 semanas. De repente a "coisa" parece que ganhou um gás, mas depois você percebe que foi apenas uma empolgação do momento...

É uma furada investir em casos como esse. Para que pensar em mudar a relação para algo a mais, se assim, tem tudo e mais um pouco?

Por mais que você tenha sido diferente, se o outro estiver focado em continuar como está, você terá sido apenas mais uma, sintonias opostas... Saia dessa.


A facilidade é cômoda. A dificuldade atrai...


Pense no que você quer, seja verdadeiro ao menos com você.
Caia fora de "casos de pele", de sexo casual, de promessas e esperanças fantasiosas...
Saber se respeitar, saber se valorizar, saber falar o tão temido não!


Lembre-se: Você não pode perder o que nunca foi seu!

Não podemos deixar a carência que nos cerca falar mais alto. Não adianta topar qualquer "parada" por medo de ficar sozinha! Porque ás vezes ter alguém é o mesmo que não ter...


Beijos
Lud Figueira

sábado, 20 de setembro de 2008

O número chamado encontra-se desligado ou é inexistente.

Fora do ar.

Colocando pensamentos em ordem, fazendo uma faxina e eliminando o que não faz bem.

Arrumando papéis, organizando-os, relembrando palavras ditas e prestando atenção aos fatos que se seguiram e em atos concretos. Conclusão: Preciso sair...

Podem dizer que isso é uma defesa, é porque quero fugir, não quero encarar. Podem dizer que sou pessimista, ansiosa e estou tirando conclusões precipitadas, não me importa mais.

Realmente eu estou pedindo para sair, estou entregando o jogo, saindo de cena, desistindo.

É isso.Talvez porque eu seja assim: Intensa demais, apaixonada demais, amante demais, insaciável demais, falante demais, gulosa demais... Acaba que eu, penso demais.

Sim. Estou falando de um flerte, talvez alguns encontros, talvez de João e Maria. De repente até de um envolvimento artístico. Que seja.

Estou deixando a tela em branco para quem queira se aventurar.

Esse capítulo eu não vou mais escrever. A pauta dessa matéria caiu. As idéias se perderam. E a culpa de tudo foi do "travesseiro". Imaginem só: Um travesseiro me abriu os olhos para algo que nunca havia percebido: Tenho medo de relacionamentos.

Dessa vez foi o travesseiro, mas outras vezes podem ter sido obstáculos, barreiras, que coloquei sem prestar atenção.

Fiquei confusa. É, mais confusa. Olha como somatizamos as coisas: Acordei me sentindo a pessoa mais fria do mundo. Que contradição: Eu, a pessoa que mais acredita no amor, em relacionamentos, que sempre tem uma palavra amiga para as horas complicadas, é a pessoa que quando tinha que falar, permaneceu num silêncio profundo, numa frieza assustadora, deixando o outro recitar sozinho seu monólogo.

Mas depois vi que não era nada disso. Que minha postura foi normal, que tudo ocorreu perfeitamente bem, e que foi apenas uma saudade momentânea, foi apenas um teste, foi apenas um encontro para se entender o que estava acontecendo platônicamente entre duas pessoas.

Descobriu-se que não era nada daquilo que pudesse ter sido imaginado. Foi um começo de vontade que se perdeu no meio de tanto espaço, tempo, frio.

Foi uma voz. Que envolveu um artista, lhe inspirou em algumas telas, mas logo se revelou comum a outras. Perdeu-se a graça.

Relaxou. Agora o mar está calmo. As ondas se foram e voltamos a rotina.


----------

João conquistará novas ondas, com seu jeito único, seu olhar cativante, seus mistérios, seus silêncios, seus espaços, seus carinhos e seu jeito romântico.
Maria, continuará buscando papéis em branco para escrever novas histórias.




Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Regra número 2: Não se envolva

O que você faz quando perde? Corre atrás. E depois? Joga fora.
Simples assim...

Eu não sei de verdade o que acontece. Porque se damos condição, somos legais, eles pisam, se acham no controle, nos manipulam. Se somos "escrotas", não ligamos, não ficamos disponíveis e falando o português claro: "cagamos", eles adoram, correm atrás, parece que ficam até mais excitados!? Que parada louca!

Tudo bem que um joguinho faz parte, não podemos negar, mas até quando? Não tem um prazo de validade?

Homens que me desculpem, mas vocês gostam de uma mulher "escrota"! Vocês gostam da mulher da pista, da mulher que não está de bobeira, da mulher que não sai só com um, da mulher que age como vocês. É uma inversão de valores que vai além do meu entendimento...

Ter amigos solteiros é um bom campo de estudo. Porque eles falam a real. A verdade é que eles adoram uma "piranha" (desculpe o palavriado) , o tipo de mulher que eles mantêm um sexo casual e sabem que ela nunca vai se apaixonar, que ele é apenas uma diversão para ela, isso os atrai, porque o normal é a mulher acabar se apaixonando numa relação como essa.

Duas opções: Ou a gente aprende a lidar com esse tipo de situação, ou entregamos a Deus. Porque é isso, é o que acontece.

As mulheres precisam aprender a usar homens desse tipo. A mulher liga, chama para sair, transa, faz o que quiser e só. Mas só quando ela quiser. É um momento, sem essa coisa de romance, sentimento, isso é algo ultrapassado nos dias de hoje, o momento é ser individualista, ver só o próprio lado.

Que triste, que decadência, que competição: Quem joga mais, quem é o mais "escroto", quem manda pior...

Não. Não dá para relaxar, não dá para deixar rolar, não dá para acreditar que estou no meio dessa palhaçada, dessa cafonice!

Deve haver alguma esperança, alguma luz no fim desse túnel, assim espero!

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Chega de desamor...

Chega de mentiras, chega de "ficadas" que não dão em nada, chega de ficar esperando o outro,

chega de ter medo de compromissos, chega de atitudes "escrotas", chega de magoar o outro,

chega de precisar ver o outro com outras (os) para querê-lo (a), chega de machucar seu coração,

chega de sexo casual, chega de beijos sem sentido, chega de aparências, chega de rótulos,

chega de solidão, chega de acordar com o desconhecido, chega dessa postura que amedronta o outro,

chega de bloquear o amor, chega de não tentar, chega de não se envolver,

chega desse medo de perder a liberdade, chega de viver pela metade, chega de joguinhos, chega de falsidade,

chega de superficialidade, chega de conversas sem sentido, chega de frases como: "a gente se fala",

chega de silêncio, chega de tempo, chega de regras, chega de planos, chega de bundas e peitos,

chega de mocinhas e piranhas, chega de pegadores e "santos", chega de esteriótipos,

chega de modernidade, chega de egoísmo, chega de "bads", chega de lágrimas, chega de desencontros,

chega de separação, chega de enganção, chega de manipulação, chega de dizer não,

chega de ficar sozinho (a), chega de tristezas, chega de traições, chega de fingimentos,

chega, chega, chega...




beijos

Lud Figueira

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Vamos jogar...

Resolvi topar esse jogo. Começou devagar, pulou etapas, esfriou, ganhou ação, rolou um suspense, causou grandes deliberações, gerou curiosidade e sempre deixa algo no ar.

É andar no escuro, é transformar a dúvida numa excitante espera, é ter pensamentos censurados, corpo desejando ser possuído, fome e sede para se descobrir da onde vem essa química que atormenta o sono, causa vontades absurdas, desistências mentirosas, fugas frustradas, passos que causam arrependimentos...

É tudo excitante, um jogo de palavras inebriantes, uma mistura de medo e ousadia, alterações na temperatura, no ritmo...

Tem horas onde há necessidade de arriscar, de se jogar e ver aonde vai. Sem planos, viver cada momento, curtir uma coisa de cada vez, pagar para ver...

A cada capítulo é apresentada uma nova cena, um novo mistério, uma nova surpresa, mais vontade, desejo, arte e suor...

Dificuldade envolvente. Um “não” conquistador, um charme que rouba a cena, palavras...

Saber esperar, saber surpreender, saber conquistar...

Aguardo novas instruções, novas oscilações, novos olhares,

Sem demora,

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Escolhas...

Passou um moreno, de olhar avassalador, sorriso provocador, postura segura e mãos firmes.

Ele disse:- Você vai embora comigo!
Ela disse: - Sim, vou embora com você...

Acaba-se o dia, permanecem as lembranças...

Os dias passam, e outros dias não iguais, mas parecidos, tomam o lugar daquele que foi vivido e assim sucessivamente, a vida não pára... Sempre ocorrendo substituições, sempre mudando, sempre em movimento...

Ela disse: Quero sair com você!
Ele disse: Ótima idéia!

Nada como uma mulher inteligente que não deixa transparecer seus reais sentimentos, nada como aceitar as regras e permanecer sabiamente no jogo.

Ela disse: Está na praia? Posso vê-lo?
Ele disse: Não vai dar. Mas a gente se fala.

Fim do jogo.

Placar, 1xo para o time masculino. Conselho para não sofrer outro gol:
Tirar seu time de campo, ir para concentração, e treinar um pouco mais.

Lembrando mais uma vez:

A expressão: “a gente se fala”, é a pior coisa que uma mulher pode ouvir, por mais gentil, doce, que o cara seja não importa. É o tipo de expressão usada para dizer que até sairia com você, mas não agora, quem sabe daqui a alguns dias, algum mês, depende...

Ritmo diferente, apenas...

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Era só o que faltava!

Gene explica por que alguns homens são eternos solteirões
A genética encontra explicação para a relutância que eles têm em assumir compromissos

Hotnews/ site Yahoo notícias/

Pode soar estranho, mas os integrantes da ala masculina que não conseguem manter compromissos sérios já têm uma nova desculpa para justificar o comportamento. Para os pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia, o motivo atende pelo nome de AVPR1A. Esse gene é o responsável por estabelecer os laços afetivos entre parceiros e está presente na maior parte dos mamíferos. A novidade fica por conta de que uma variante desse gene pode determinar como os homens se comportam com suas parceiras em relacionamentos amorosos.A pesquisa contou com a participação de 550 gêmeos e seus parceiros. Pesquisadores estudaram o DNA seguido por um questionário, a conclusão do estudo foi obtida através da comparação das respostas com a estrutura genética. Apesar de parecer ironia, homens que possuem uma ou duas cópias da variante 334, têm um comportamento diferente em relação aos que não possuem. Ou seja, eles apresentaram chances menores de se casar, enquanto aqueles que apresentavam duas variantes tinham duas vezes mais chances de ter vivido uma crise de relacionamento, no espaço de um ano.A diferença também foi sentida nas esposas e namoradas que se diziam insatisfeitas com esses homens. Para o estudante de pós-graduação do Departamento de Epidemiologia Médica e Bioestatística do Instituto foi a primeira vez que esse tipo de comportamento é associado a algum gene. Porém, essa variante não pode ser usada como desculpa para todos os casos, pois, apesar dos estudos, não pode se afirmar a sua exclusividade como causa para aqueles que não conseguem manter relacionamentos longos. A pesquisa também servirá para estudar e entender melhor problemas de interação social, como o autismo. Para o terapeuta corporal e naturopata Vicente Godinho, tudo em um relacionamento é questão de aprendizado e cuidado. É necessário cuidar como se fosse uma planta exótica e delicada, que necessita de constante atenção e cuidados.

Veja algumas dicas que o especialista separou para não sufocar a relação:

- Não espere que o outro cuide de você, não jogue a responsabilidade da sua felicidade na mão do outro. Lembre-se que o verdadeiro amor nasce na ausência e da necessidade de querer ficar junto.

- Garanta um tempo só para você, isso é o oxigênio da relação. Estar junto é bom, porém é importante que cada um tenha a sua própria história e crie outra, comum a ambos.

- E, por fim, é necessário reconquistar quem amamos diariamente, isso garante o tesão num relacionamento.

----------

beijos
Lud Figueira

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Sem esperar nada...


Acredito no amor. Sério, acredito que ele exista.

Mas ando um pouco chateada, porque não estou conseguindo nem sequer me apaixonar; pois hoje em dia as pessoas estão meio proibidas disso, porque é um tal de "eu amo ser solteiro", que até assusta! Então, para evitar possíveis decepções, a gente trabalha para isso não acontecer, e não é que está funcionando?

Acho que é tanto medo de ficar mal, que acabamos vivendo as relações pela metade, pois sei que não posso ir além e isso me frustra. Porque não tem nada mais gostoso do que você pensar em alguém, marcar de sair, falar com a pessoa, mas isso não acontece. As pessoas estão dando cada vez menos atenção aos assuntos do coração e quando pensam sobre isso, logo tratam de se distrair pensando outra coisa.

Acho que ter um relacionamento hoje em dia virou sinônimo de ter uma dor de cabeça. Só pode ser...Estou sentindo falta de um romance! Daqueles bem cafonas!!!! Risos....

hoje eu não estou disposta para mostrar aquela armadura de mulher bem resolvida, estou levantando a bandeira branca e pedindo um tempo nesses joguinhos de gato e rata. Na verdade tempo frio e chuvoso me deixa romântica, melancólica...Logo imagino dois amantes passando o dia num calor intenso contrastando com o tempo do lado de fora...

Você pára e pensa numa hora dessas e vê que está sozinha, nem alguém para ligar você tem... quer dizer, ter você até tem, mas vale a pena? Até porque esse lance de telefone... Dar uma de "moderna" e ligar, nem sempre é legal... Esse lance de ser uma "mulher de atitude" não são todas que sabem administrar bem, pois nem todas conseguem segurar a onda de levar um fora, ou de não ter tido uma conversa boa ao telefone...

Ás vezes penso que é isso mesmo: Você conhece o cara, sai uma ou duas vezes e relaxouu, parte para outro e para outro e outro... Ninguém quer gostar de ninguém, ninguém quer ninguém, sei lá... Já saio de casa com o botão do desapego ligado.

Me desculpem, mas hoje estou desfocada em assuntos do coração, está tudo muito vazio, sem muita perspectiva... Ando meio repetitiva...

Beijos

Lud Figueira

domingo, 7 de setembro de 2008

Figura repetida não preenche álbum, apenas serve para trocas.

Saber segurar a onda de ficar sozinha é uma atitude bem responsável. Passar tempo com quem já deu o que tinha que dar, é a maior furada. Além de mexer em lembranças do fundo do baú (que estão guardadas, esquecidas no "arquivo morto") que voltarão com força total em nossa vida.

O maior prejudicado? A mulher, é claro. Sempre nós, as eternas sonhadoras, as que sempre acreditam em uma segunda chance, em um novo começo e terminam cheias de ilusões frustradas e no fundo do poço.

Algo é certo: A relação começou errada, dificilmente encontrará a direção certa.

Hoje em dia, basta um, de repente dois encontros no máximo para você saber o que o outro realmente quer. Saí as máscaras e entra a "cara de pau", o jogo da verdade.

Investe quem é idealista, acha que o outro vai mudar, acredita que o outro vai enxergar suas qualidades, seus valores. Pura ilusão!

Ser realista, cair na real, nos faz perder menos tempo e evitar grandes sofrimentos e decepções.

Graças à Deus existem muitas "figuras" e"álbuns" para se completar pela vida.

Perder tempo, se desgastar por "figuras" que não preenchem e nem completam nada, é algo pouco criativo e irresponsável.

Invista no novo, saia do cômodo!

Beijos

Lud Figueira

sábado, 6 de setembro de 2008

Telefone: Meio de comunicação complicado...

Nada mais interessante do que homem que sabe falar ao telefone. Cheguei a conclusão que os que fazem o estilo Don Juan, são ainda mais charmosos ao telefone. Eles costumam nos deixar relaxadas, mostram certo interesse (mesmo que seja o mais puro fingimento) por nós, pela nossa vida, nos deixam a vontade, se mostram interessados em encontros futuros e sempre dão um jeito de dar uma valorizada na nossa "pessoa".

Já os "falsos tímidos", os que "comem pelas beiradas", os que não são tão falantes, os que fazem sucesso mesmo calados, nos deixam aflitas ao telefone. Pois o "papo" não rende e temos a sensação que estamos incomodando e se não entrarmos logo no assunto da ligação (pois essa categoria de homens não são adeptos ao uso do telefone, preferem os encontros casuais, telepáticos) acabamos por desistir, perdemos o foco da ligação, tamanho é o desprezo que sentimos do outro lado da linha.

Realmente, em época de MSN, torpedos, telefone se tornou algo ultrapassado. Mas, na minha humilde opinião, ultrapassado é essa falta de comunicação é essa mania de aprisionar o outro através do silêncio.

Seja por telefone, MSN e afins, o importante é saber tratar o outro com respeito e educação.

Claro que cada um tem uma interpretação da conversa estabelecida, mas também cada um sabe onde quer chegar ao falar palavras que causam o famoso duplo sentido.

Aliás, ninguém joga para perder... O recado é sempre dado.


Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Bastidores - Baixo Gávea

"Solteiro no Rio de Janeiro
Parado em qualquer praia
Sou solto em qualquer lugar
Tira a camisa, esse clima tá de abafar
Liberem suas delícias, parado não dá pra ficar
Movimentos circulares, zona sul de bar em bar
São bocas em todo lugar
São bocas em todo lugar"

Solteiro no Rio de Janeiro/Cidade Negra

Uma rua para se expor. Uma rua para se olhar e ser olhado. Uma rua para encontrar quem quer e quem não quer. Uma rua pequena, mas que comporta as grandes figuras da night carioca. Ás vezes lembra uma cidade pequena, que a night é na pequena rua da cidade onde se encontra todo mundo. Porque no Baixo Gávea nunca duvide: É uma rua típica de você encontrar aquelas"lendas" que passaram pela sua vida e você não vê há anos!

É a rua da "paquera", do "flerte", dos chopps com amigos, da pré antes da noitada, cenário pós maracanã (dependendo do resultado), daqueles encontros complicados...

Também conhecida como a rua do zero a zero, do social, das "investidas" sem nenhum contato físico.

Local de grandes deliberações sobre a boa do final de semana, pois um dos melhores dias do "Baixo", é quinta-feira, praticamente o primeiro dia do final de semana - Ou seja, quinta o pessoal vai tomar uma cerveja no "Baixo", depois alguns vão para alguma noitada, ou partem para casa, guardando as forças para o final de semana, pois domingão temos mais "Baixo"- Domingo a rua mais uma vez lota, seja depois de uma parida do Fla x Flu, seja para reunir os amigos e contar como e onde foram os eventos do fim de semana, seja para fugir do dia depressivo que é, sem dúvida, o dia de domingo.

Para quem gosta de um programa leve cercado por amigos e um clima positivo, cercado por pessoas interessantes, o Baixo Gávea é sempre uma boa opção.

Beijos

Lud Figueira

Casa, Comida e Sexo Selvagem

Será que algum homem resiste? A resposta é sim.

Devido a grande facilidade que os homens encontram nos dias de hoje, as mulheres precisam de muito mais; na verdade precisam de menos.

Mulheres de hoje precisam aprender a usar suas qualidades, a manter seus segredos (inclusive os sexuais) guardados a sete chaves, falar mais a palavra"não", ou seja, aprender a dificultar o que anda cada vez mais fácil no mercado.

Se bem que depois de "abertas as portas", difícil fica voltar atrás. Mas como perdemos a mão, administrar tanta facilidade fica cada vez mais complicado. Afinal de contas, dizer não, é entrar na contramão da modernidade.

Até porque o sexo, hoje em dia, é mais usado para se conhecer o outro; sai os jantares, os encontros e entra o sexo, onde pula-se as etapas e quando se vê, os dois já se tornaram grandes conhecidos, próximos, de repente melhores "amigos".

Por mais mente aberta que a mulher seja e o homem também, esse "lance" de sexo e outras facilidades "de cara" ainda é um assunto delicado. Vamos falar a verdade: Não importa a qualidade; sexo sempre atrapalha o meio de campo da relação.

Se apenas "ficar"já dá a maior confusão mental, imagina o pacote completo?

Às vezes passar vontade evita-se problemas futuros e ajuda a manter o controle da situação (mesmo que seja o controle imaginário).

Um balde de água fria, às vezes, faz bem a nossa saúde mental.

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Regra número 1: Seja sempre sincera

Tem algo que eu não sei sobre relacionamentos. Não sei o que é se sentir bem sendo solteiro depois de um bom tempo namorando. Sei que para os homens, ser solteiro no Rio de Janeiro principalmente nos dias de hoje, deve ser a melhor "parada": Festas, boa música, belas mulheres e ainda por cima uma cidade bem bonita como cenário.

Eu vejo a alegria nos olhos ao falar de festas, mulheres, vejo a felicidade que "eles" sentem ao estarem vivendo de repente, a melhor fase da vida deles. Não sei o que é isso, gostaria de ter essa alegria nos olhos, esse desapego, essa disposição, essa administração da grande quantidade de pessoas que passam pela vida deles.

Eles possuem um controle inacreditável. Possuem um radar que avisa quando "eles" podem correr o risco de se apaixonarem. São bem focados, bem racionais, e não saem da rota planejada por nada.

Eu fico tão desanimada com essas coisas, tão sem palavras. Como assim? não se apaixonarem? Por quê? Que jeito estranho de viver... Como é bom se apaixonar, se permitir gostar de alguém, querer aquela pessoa, fazer amor, beijar, porque tem que ser sempre esse jogo, essa "marra", essa mania de deixar morrer coisas que podem ser tão boas? Assim não se tem tempo de gostar de ninguém, quando se começa a pensar em uma, já se esta com outra e assim por diante...

Colecionar momentos... Carinhos, beijos, sintonia que será esquecida ao acordar, ao ver outros olhos, outra boca...

É uma coisa horrível, chata de verdade, sair com alguém e se bloquear para não sentir nada. Você acaba que não curte aquele momento, porque sabe que não vai dar em nada, que é aquilo e ponto final, que "parada" previsível, sem valor...

É tão maravilhoso quando você sai com alguém e chega em casa com aquele sorrisão no rosto, cai na cama e fica relembrando os melhores momentos da noite, as conversas, os carinhos, os beijos, os olhares, tudo nos mínimos detalhes, curte aquela ansiedade pensando no próximo encontro, na próxima ligação! No dia seguinte reúne as amigas para tomar um chopp e contar sobre sua noite, relembra mais uma vez aquele momento super bacana, isso é tão gostoso! Porque tem que ser desse jeito frio, com hora para começar e terminar. Porque temos que chegar em casa e pensar:-" Relaxou, foi só um momento, de repente pode ser que aconteça outro, como não, vou focar no dia de amanhã, nas coisas que eu tenho que fazer, vou pensar na minha saída de sexta, na minha festa de sábado, no cara da praia, no cara da faculdade, no trabalho amanhã...." Que coisa estranha! Desapego total! É muito auto controle, é muita disciplina, é muita vontade.

Viver pela metade, sentir pela metade, estar com o outro pela metade. Como assim a mulher sabe que o cara não quer nada, mas continua saindo com ele só para ela ver até onde vai agüentar ir sem se apaixonar, pois se ela vir a se apaixonar, acontece uma deliberação entre os dois e ela" pula fora" da relação. Pois, o cara em questão já deixou claro que é só um momento, uma curtição, sem essa de "romance". Como "eles" conseguem separar tão bem essas coisas?

Como não se render ao momento aparentemente tão perfeito?Como não pensar...

Pois digo que, na boa, é impossível. Tenho certeza que eles só conseguem separar bem essas coisas do coração, quando realmente o encontro nada significou, porque, se for um encontro irado, eles até podem colocar uma "marra" e tal, mas por dentro ficaram "amarradões" e com medo de se permitirem gostar, acabam saindo com outra, outra, outra e assim por diante.

Mas, o que fazer? Relaxouuuu, risos.
É o que se tem a fazer: RELAXAR


Beijos
Lud Figueira