terça-feira, 11 de maio de 2010

Exagerado- Cazuza

Amor da minha vida
Daqui até a eternidade
Nossos destinos foram traçados
Na maternidade

Paixão cruel, desenfreada
Te trago mil rosas roubadas
Pra desculpar minhas mentiras
Minhas mancadas

Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

Eu nunca mais vou respirar
Se você não me notar
Eu posso até morrer de fome
Se você não me amar

Por você eu largo tudo
Vou mendigar, roubar, matar
Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais

Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

Que por você eu largo tudo
Carreira, dinheiro, canudo
Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais

sábado, 1 de maio de 2010

Encontros...

Meus olhos o seguiram pelo escuro da noite, pela falta de palavras, pelo medo do prazer, pela saliva doce que a mim salvou.

Perdida ou definitivamente encontrada? Conheci o caminho ilusório e traiçoeiro da arte dos corpos dançantes, do movimento da alma, das batidas aceleradas, do desencontro do limite.

Fiz um pacto com o perigo. Me tornei amiga da aventura, competidora pela sorte, pelo vício desvairado e insano da sua droga, pela busca incansável do amor irracional.

Me leve com você.

Lud Figueira