sábado, 31 de julho de 2010

Sexo e Poesia

OBS: Texto ficção - (arquivo literário de Lud Figueira)
---------------------------------

Na hora em que eu estava pensando em você, recebi uma mensagem sua:

“Eu já disse que você é linda hoje?”

Meu Deus! Era tudo que eu precisava para sentir que foi real aquela noite. Fico arrepiada só de lembrar...

Ah, aquela janela... A vista da Baia de Guanabara perdeu o palco. Os protagonistas daquela noite éramos você e eu. Por mais que eu tentasse desviar o foco, a atração dos corpos era mais forte. Perdi o controle e me rendi. Estava diante de um matador e não tive medo da morte, me entreguei. Senti seu corpo se conectar ao meu... O coração disparou, suspirei. O prazer me levou ao paraíso e você o tornou possível.

Tentei achar a lucidez que foi brutalmente atropelada pelo prazer em ser beijada por você e claro, não consegui. Cada vez que meus lábios encontravam os seus eu perdia os sentidos, esquecia do mundo que a janela mostrava, não havia forças para resistir.

Aventurei-me na arte do suor e me deixei ser conduzida. Nada foi poupado: A televisão foi ao chão, junto com as cinzas dos cigarros interrompidos na pressa descontrolável por ser sua, por ser possuída pelo desejo ardente de sentir seu corpo junto ao meu.

Seu olhar ao mesmo tempo em que me proporcionava medo, me deixava estranhamente excitada. O pânico de uma ilusão tampava meus ouvidos a cada palavra bonita que saía da sua boca. Mas, elas, as tais palavras, continuaram rondando pela minha cabeça, pelo meu coração.

O passar das horas foi cruel. Ao seu lado esqueço-me do amanhã e ao me despedir, sinto como se eu deixasse um pedaço de mim.

Relembro cada toque de suas mãos, cada olhar me devorando, cada palavra e cada silêncio.

Acordo e sinto os resquícios da noite passada, logo sorrio e me sinto viva.

Não foi um sonho, foi real.


Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 30 de julho de 2010

O problema de agora pode ser a solução de amanhã

Qunatas vezes o amor bateu à sua porta?
Você abriu a porta ou só olhou pelo olho mágico? Ficou desconfiada e abriu metade da porta, se assustou e fechou?

Acho que fazemos isso muitas vezes. Tudo porque nos acostumamos ao sofrimento e não nos achamos merecedora da felicidade; claro que acabamos fazendo isso inconsciente, mas fazemos.

Não é medo, é pânico de acreditar que alguém possa nos amar de verdade e nos completar de tal forma que chegamos a desconfiar, do tipo:"ok, eu sei que isso é pegadinha, pode mostrar a câmera!

A gente passa a vida criando na cabeça o homem ou a mulher perfeita.
"Ah tem que ser alto (a), baixo(a), magro(a), gordinho(a), olhos claros ou escuros, branco (a), preto (a) ou com bolinhas amarelas...."

Aí, mudamos de estilo, conhecemos várias pessoas, damos chances, acreditamos, desacreditamos, amamos, odiamos, ficamos felizes ou sofremos. Até que nos conformamos com a infelicidade e fechamos portas porque pensamos melhor e preferimos não arriscar mais. De repente, o sonho dourado, aquilo que sempre desejamos, nos aparece da forma mais complicada e problemática. Mas dentro disso tudo, você sabe que é o tal ou a tal. E aí? Arrisca? Abre a porta? Tenta descomplicar? Tenta soluções?

Bom, por mais terrível que seja, o que você tem a perder a esta altura do campeonato? Nada, mas pode vir a ganhar....

Abra essa porta!

Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Um dedinho PODRE

Como reconhecer:

-você sempre escolhe os que estão com o lembrete na teste: PROBLEMA
-acaba sempre sendo a outra
-se mete em cada situação onde quem acaba sofrendo é você
-adora um cafajeste

Se você se viu nesses exemplos, você com certeza tem o dedinho podre!

É complicado, pois geralmente nós identificamos o perigo, mas ao invés de sair correndo, há uma certa excitação no ar, um perigo inocente, uma vontade de virar o jogo que, esquecemos da cilada que estamos entrando e quando nos damos conta....Já era!!! Estamos enroladas dos pés a cabeça e numa complicação séria difícil de sair!!!

Na maioria das vezes o melhor desses relacionamentos é o sexo! Claro que casual, o que nós faz querer ainda mais...
Depois, conseguimos nos apaixonar pelo cidadão, mesmo sabendo com todas as letras que não é a vibe dele. Isso faz com que nos sintamos desafiadas a inverter a situação e torná-la favorável para o nosso lado. Doce ilusão...


Claro que, o jogo continua a favor dele, pois logo, da parte do "problema" não há sentimento e se por acaso há, nunca é o suficiente para haver mudanças!

O velho é cômodo e o novo assusta! Pois é...

Mas, como não é surpresa e já vimos esse filme de quinta um milhão de vezes, está na hora de parar!

Operação controlar o nosso dedinho!
hehehhehe

Beijão

Lud Figueira

terça-feira, 27 de julho de 2010

Gostamos de atitude

Ele falou: -- Vamos marcar de sair?
Ela falou:-- Vamos..
Ele disse:-- Quer dizer, vamos pular essa parte... O que vc vai fazer hj?
Ela disse:-- Ainda não sei...
Ele :-- vamo sair hj?

-------------------------------------------------------
Por que não?

Esse cara não está por dentro dos jogos, ele não faz tipo, fala o que quer e não tem problemas sobre o que a mulher vai pensar ou deixar de pensar. Ele está afim, faz e ponto.

Vocês devem estar me perguntando: --Mas, e aí? Ele é do tipo que liga ou que só foi naquele momento?

Pois é. Esse é um cara realmente diferente dos "ceninhas de night". Ele não só liga no dia seguinte, como ele segue seus instintos. É até difícil denominar um cara como esses, porque você não sabe o próximo passo, porque ele surpreende... Tipo do cara em extinção....

Essa raridade, é o típico cara que geralmente "trabalha" cada mulher de uma vez. Não consegue administrar várias e muito menos fazer as devidas manutenções que precisam.

Mas, como estamos lidando com um tipo diferente, nem sempre as surpresas podem ser boas.

Tudo bem, vale arriscar e sair da mesmice!

beijos

Lud Figueira

sábado, 24 de julho de 2010

Need You Now

Lady Antebellum - Need You Now

Levanta a mão quem nunca ligou de madrugada para alguém querendo encontrar a pessoa (homem ou mulher) desesperadamente? E saindo de uma noitada um pouco "altinha" (o)?

Bom, acho que a grande maioria levantou a mão. Tem horas que a lembrança de um momento vivido, de um beijo mais demorado ou de uma noite de arte e suor, nos persegue e não nos deixa outra saída a não ser ligar ou ir ao encontro...

Quem foi que, por exemplo, no meio de uma noitada, não parou num canto, olhou em sua volta, observou pessoas, conversas, e num piscar de olhos se teletransportou para aquela lembrança que vira e mexe nos surpreende, com sensações, sentimentos e nos perguntamos: "O que é que eu estou fazendo aqui?" Logo, não vemos outra saída a não ser fazer alguma coisa e reviver o tal momento outra vez...

Ou, no meio da noite, sem conseguir dormir, se revirando, pegou o telefone e foi parar na casa do ser amado?

Tem coisas das quais não conseguimos evitar. E no impulso, não nos preocupamos com o dia seguinte e sim na inquietação dos sentimentos, pensamentos, da vontade que dá e não passa.

Claro que, muitas vezes, ficamos a "ver navios"... Pois nem tudo termina como no clipe da música acima....

Beijos

Lud Figueira

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Maldita Sorte

Para a maioria das pessoas, é só um filme bobo, onde o cara é o garanhão, pega todas e quando se apaixona e percebe que pode perder a "amada" começa a meter os pés pelas mãos e bla bla bla...

Não. Não é só isso. Além de mostrar que quando nos apaixonamos ficamos burros, cegos e outras coisas, o filme retrata exatamente o que geralmente os homens fazem quando estão apaixonados: Eles correm atrás. Simples assim.

Claro que, ao repararmos na "mocinha" do filme, com aquele jeito estabanado, desajeitado, ela é ela mesma. Isso com certeza foi um dos fatores que fez com que o nosso "cara" se apaixonasse por ela. Sem contar que, ela não estava disponível, houve recusas, e depois de uma longa investida, ela cedeu... Claro que, cedeu conhecê-lo um pouco melhor, o que não quer dizer ir aos finalmente (há controvérsias). Até porque, no momento, o que ele mais tinha na vida era sexo, sexo e mais sexo. A busca dele era por mais do que uma noite, algo diferente... Até que ele se deparou com a maior aventura da vida dele: Se apaixonar por alguém, amar alguém.

Ou seja: Os cafajestes de hoje podem ser os românticos de amanhã!

Risos, quem sabe...

Beijos

Lud Figueira

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Busque seu Final Feliz

Como podemos passar quase a vida inteira sendo uma pessoa por fora e outra por dentro? Porque aprendemos que para um cara gostar da gente temos que fingir ser o que nós não somos? Porque reclamamos de jogos, ligações que nunca acontecem se, nós compactuamos com o jogo e nós damos o telefone sabendo que foi apenas mais um número naquela agenda? Porque fazemos sexo para agradar e esquecemos que nós também estamos ali e precisamos sentir prazer tanto quanto o outro? Porque cansamos de ser nós mesmas? Por que perdemos a esperança tão cedo? Porque sofrer significa amar; porque sofrer para amar? Porque não mudamos a fórmula e começamos a acreditar que sim: Jamais devemos perder a esperança de um FINAL FELIZ.

Acredito que esteja difícil encontrar o nosso par. Justamente porque insistimos em continuar com a mesma postura nociva. Mas é que durante muito tempo resolvemos nos acomodar na zona do conforto da segurança em não se envolver. Muitas vezes percebemos que esse pode ser o cara ou essa pode ser a mulher, mas por um medo qualquer, seja por medo de se machucar, ou de sofrer as agonias e alegrias de estar apaixonado, ou por medo de perder a tão suada liberdade conquistada, enfim, fechamos a porta do que de repente poderia ser o fim da nossa eterna busca.

Estamos viciados no amanhã, em bocas novas, em camas diferentes, sempre pensando que se hoje foi bom, amanhã pode ser melhor ainda. Esse é o nosso erro: Não damos valor ao momento, passamos por ele sem nos envolver, sem nos importar com nada, somente em tirar proveito de tudo que o momento nos possa dar e mais nada. Muito desse desgaste emocional poderia ser evitado se ao olhar para o outro enxergassemos uma pessoa,um alguém e não um produto que a gente compra, usa e joga fora;

Claro que, na maioria das vezes, nós gostamos de ser esse produto usável e descartável e depois reclamamos. Será uma espécie de auto punição que nós próprios nos fazemos? Até quando vamos nos sentir seres excluídos do amor? Porque achamos que não merecemos ser felizes e continuamos fazendo coisas que sabemos que, amanhã estaremos tristes, sozinhos e ainda por cima como uma super mega ressaca moral? Não temos desculpa e não somos enganados, na maioria das vezes nós somos os responsáveis pelos nosso sofrimentos e por nossas decepções. Até porque identificamos com o nosso "dedinho" o que presta e o que não presta (dificilmente nos enganamos) e mesmo assim, continuamos na postura errada com uma esperança de mudar o que talvez nem a própria vida mude.

Precisamos de esperanças reais, de auto confiança. Não precisamos mudar ninguém, cada um precisa descobrir por si só o que precisa ou não mudar. Tentar mudar alguém, ou construir uma fantasia sobre o outro, é procurar continuar no sofrimento e no vazio.

Nada é fácil e, o que geralmente não requer esforço, vai embora muito rápido. Faça a sua mudança, procure ser você e quem sabe, seu tão final feliz não te surpreenda?


Beijos

Lud Figueira

terça-feira, 20 de julho de 2010

Sexo, cigarros e mate com limão (Continuação do texto:A Noite é Cruel parte 2)

Preciso me surpreender, preciso de uma novidade, porque é sempre tudo igual?
Não é sempre igual o beijo que eu dou, não é sempre igual o sexo que eu faço, nunca é nada igual. Mas, porque para os homens parece ser tudo sempre igual?

Ok. É verdade que não há mais surpresas nesse setor. Mas, confesso que estou cansada das mesmas histórias. Até porque como nunca é nada igual, acabo a espera de novidades depois. E aí? Elas, as novidades, se perdem no tempo e ficam cada vez mais distante de mim...

Não vou repetir que a culpa desse caos no mundo dos relacionamentos é do homem ou da mulher ou dos novos tempos. Mas, porque viver colecionando momentos? Porque não dar uma simples oportunidade para conhecer o outro? Porque tem que ser tudo assim: Frio, momentâneo, sem lembranças, superficial?

Não ficamos mais relambrando um momento bom, um beijo bom ou um sexo bom; simplesmente não sentimos nada, é tudo muito frio. Nos acostumamos a ficar com uma cara, transar e a não esperar nada e na maioria das vezes esquecer que um dia, você se envolveu com fulano ou fez sexo com siclano ou trocou beijos com beltrano. Vem o dia seguinte, o outro, o outro e a nossa vida segue como se "aquele momento" que foi vivido não houvesse existido. Não há telefonemas, não há encontros, não há nada. Que beijo sem vida, que sexo mais mecânico, um alívio imediato e um beijo tchau e não me liga! Nossa! A que ponto nós chegamos....

Não sei mais o que falar para vocês mulheres que se sentem assim e para vocês homens que já se viciaram em manter essa postura:de apenas uma noite.

No fundo, acho até melhor que seja assim, porque ninguém perde tempo com ninguém e todos saem ganhando (de uma forma ou de outra).

Mas, as vezes vale a pena esquecer o tesão no momento e se lembrar do vazio sentido no dia seguinte.

beijão

Lud Figueira

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A Noite é Cruel

Fazer cara de paisagem, sorrir para quem você tem vontade de mandar para um lugar muito feio, ouvir coisas que não são bacanas,fingir que você não está nem aí e ainda por cima achar graça disso tudo É MUITO CHATO!

Indiferença? Solução? Nem sempre é a melhor escolha. Sair como "recalcada" e mandar a real achando que está fazendo a "diferença" no mundo onde todo mundo é igual e falam as mesmas coisas? É se aborrecer por muito pouco. Ou seja, acabamos com "cara de paisagem" e tentamos relaxar.

Se você não quer mais tomar essa postura, então é melhor você se esconder em casa. Pois, na noite é o que você mais faz: Tentar relaxar para "papinhos" sem a menor criatividade, pessoas inconvenientes, busca do prazer imediato e a caça para não terminar a noite sem um sexo casual, cenas bizarras e personagens de uma comédia de quinta.

OK. Vou pegar leve...

Poucos, fazem a diferença. São muito poucos, raros, mas talvez você os encontre ou "as" encontre; pois não podemos esquecer que os homens só tem essa postura porque permitimos que seja assim; contribuímos para isso: Seja porque estamos na filosofia do "relaxou" e também queremos apenas uma noite, ou porque foi um tesão imediato, ou porque sabemos como conduzir a situação e lidamos bem com esse "tipo", são eles: Chatos,"o engraçado","o cara de pau", "o mentiroso", "o sem noção", "o super sincero",fanfarrões, ceninhas de night, pegadores, cafajestes ou atores (os que estão esperando um convite da Globo), tudo meio parecido, mesma tática, aquela velha historinha de sempre que a gente finge acreditar e eles fingem que é verdade.

Mas, exite uma maneira de você curtir uma noite sem problemas:

- se torne indisponível;
- Seja educada numa abordagem inconveniente, mas imponha limite e vá embora
- Não flerte com "problema": Afinal, você sabe que na maioria das vezes um rostinho bonito ou um corpo sarado pode te causar uma boa dor de cabeça no dia seguinte,
- Fale menos e observe mais,
- Chegue depois e saia antes,
- Não caia no golpe do telefone. Pois a maioria ainda vive na época da música do "Gabriel Pensador",
- Leve TUDO na BRINCADEIRA -Bom humor é a saída.
-POR ÚLTIMO: Pense antes de agir - Afinal vontade dá e passa e se você não for segurar a onda no dia seguinte, não faça nada.(ressaca moral é uma bad!)


Beijos

Lud Figueira

domingo, 11 de julho de 2010

Um Bom Começo

Depois de ouvi os últimos acontecimentos na vida de uma amiga querida, constatei que nem tudo está perdido. Simplesmente por ela me contar um feito quase inédito:

-Ela encontrou um cara que não faz "jogo" e que liga no dia seguinte!

Incrível!

Brincadeiras à parte, mas fiquei bem impressionada. O Cara não só ligou no dia seguinte, como é gentil, liga na hora em que tem vontade, tem o beijo, a pegada, e, está amarradão! Quase amor a primeira vista! Quase um ser do outro mundo! Caramba! Existem pessoas que são correspondidas e que não fazem "joguinhos" ou "manutenções" para não parecerem "escrotos"! Mais uma vez: Incrível!!!

Não contaminando vocês com a minha atual visão "negativa" do pequeno grande mundo masculino,é importante ver que pessoas assim ainda existam. (ainda há esperanças!hehheheh)

------------------------------------------------

Mudando de assunto, o que fazer quando lembranças nos assaltam sem nos avisar, causando um misto de sentimentos, provocando muitas vezes a chegada da pergunta: "O que foi que aconteceu mesmo?"


Descompasso de vontades, ciclo diferente,desventuras sem limites, tempo mal administrado...Sei lá....

Bom, tentando responder a pergunta, na maioria das vezes, o melhor a fazer quando se tem lembranças desse tipo, é não fazer nada. Geralmente o que "passou, passou" ou, "Já tem tanto tempo, melhor deixar para lá". Ok, vou voltar a fita:

Essas lembranças "abusadas" que nos pegam de surpresa, na maioria das vezes são aquelas maravilhosas, que mal esquentaram a cadeira do nosso coração. Não chegam a ser as lembranças deixadas pelos "cafajestes", mas por pessoas que de certa forma, num curto espaço de tempo (ou não), nos marcaram de alguma forma. Aí vem o que eu
disse sobre deixar para la, afinal, tudo vem com prazo de validade, depois o momento do outro dia se perde....

Mas, vendo o lado bom (se é que tem algum), mesmo que não tenha tido um "continuar" na história lembrada, é gostoso lembrar de um olhar avassalador, de um beijo delicioso e ver o quão isso é difícil (e, se considerar de certa forma com sorte, afinal beijos assim valem a pena serem lembrados), de conversas que renderam boas risadas, daquele abraço que parecia não ter fim, daquela hora em que não conseguimos nos despedir...

Confesso que de todos os exemplos acima, o olhar avassalador é um dos mais complicados quando se é lembrado...Porque é o olhar que fala, que "toca", que te desvenda, que te leva a imaginar, sonhar....doce ilusão.

Resumindo, melhor do que lembrar de momentos assim, são, vivê-los!!!!!


Beijos

Lud Figueira

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Planejem se surpreender

Sempre fico ansiosa na véspera de algo importante. Então, como a insônia iria me consumir de qualquer forma, fui tentar achar algo interessante para ver na TV. Acabei no telecine, com o filme:"Eu, meu irmão e nossa namorada". No começo achei que era apenas uma comédia boba, para me distrair. Mas, com o desenrolar da história, me apaixonei.

Uma das questões do filme que trago para vocês é: Como identificar o amor? Tem tempo para isso? Podemos dizer que amamos alguém em três dias?


Bom, vou tentar responder.

Eu nunca disse "EU TE AMO", mas acredito que já senti esse tal amor. Por incrível que pareça, soube que amava depois de dois dias, o que me tornou refém de um sentimento não correspondido.

Acho que a paixão nos traz o amor. No primeiro estágio, ficamos tensos, nervosos diante do ser amado, suamos, a garganta fica seca, muitas vezes não sabemos o que dizer (e na maioria das vezes acabamos falando coisas sem sentido ou bobas), rola aquele "reviramento" estomacal...No segundo estágio, esses sintomas começam a dar lugar para uma certa segurança. Claro que não é 100% de segurança, pois isso seria o fim do relacionamento (pois homens e mulheres nunca podem se sentir totalmente seguros em uma relação), No terceiro e último estágio, os amantes se comunicam apenas pelo olhar, onde o entendimento é total.


Não há como definir o amor, não há como dar "tempo" quando se está apaixonada. Cada um sabe o que sente. Claro que se conhecemos alguém e no terceiro dia o cara vira e diz que ama você, no mínimo a nossa reação é não acreditar e, se estivermos sentindo o mesmo, acharemos que estamos sendo enganadas, na verdade eu acho difícil alguém amar o outro em três dias....Mas, no fundo do meu coração, acredito que possa acontecer...


Beijos

Lud Figueira

sábado, 3 de julho de 2010

Um pouco da moda masculina

As mulheres haviam roubado o xadrez do armário dos homens, mas eles não ficaram para traz e foram correndo buscar essa pequena peça que deixa qualquer homem mais atraente. Sim, o xadrez é um item super interessante.

Pode se usar com uma blusa básica por baixo, ou só o xadrez puro; está valendo.

Outro item são esses tênis, tipo All Star ou tipo o da Osklen; dão um ar leve e descontraído na produção,

Mas, a melhor produção masculina é: calça jeans, blusa básica branca e um bom e velho par de havaianas!

beijos,

Lud Figueira

sexta-feira, 2 de julho de 2010

O Fim do CARNACOPA

A seleção brasileira tentou, mas morreu na praia; quer dizer, na África.

Para a galera da "azaração", da "fanfarronice", a tristeza é dupla.

1- Acabou a farra de pegar a mulherada 11hs da manhã,

2- Não vai rolar de sair do trabalho mais cedo, ou pegar um dia de bom humor do chefe e ganhar um dia de folga,

3- O clima de bebida, sexo e futebol, solto pelas ruas, agora vai se restringir apenas ao período da noite, de preferência a partir de quinta, quando praticamnte já estamos no final de semana,

Na verdade, o Brasil sempre vive entre o carnaval e o futebol. Afinal, daqui a 4 anos teremos uma nova chance!

Beijos
Lud Figueira

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Porque não resistimos a um homem Cafajeste?

Olha que pergunta difícil? Posso passar...hehheheh

Tudo começa com aquele "papinho" bobo, aquela mão que sabe exatamente aonde ir e aonde não ir (um perigo), sem falar na "pegada", aquela boa pegada que faz qualquer não virar sim! Nem Jesus salva!

O negócio é que eles sabem que são umas delícias e que é fato que a fila deles não anda, corre e, por isso que gostamos. Pois o gosto de quero mais é imenso e dificilmente terá uma segunda vez.

Parece que é até de propósito, mas o lance é que eles não tem tempo suficiente na "agenda" para dar conta da grande demanda. Mas, como todo bom cafajeste, são phd em manutenções, pois nunca se sabe quando pode rolar a época das "vacas magras".

O melhor são quando eles te encontram e fazem parecer que a última vez foi ontem, cheios de intimidades, carinhos e palavrinhas bonitinhas e sexy ao pé do ouvido.
Sem contar que "na cama",o serviço é completo.

Enfim, são homens para pequenas aventuras, afinal, toda mulher merece um bom cafajeste para um bom intercâmbio de conhecimentos e troca de experiências.

Beijos
Lud Figueira