quinta-feira, 22 de julho de 2010

Busque seu Final Feliz

Como podemos passar quase a vida inteira sendo uma pessoa por fora e outra por dentro? Porque aprendemos que para um cara gostar da gente temos que fingir ser o que nós não somos? Porque reclamamos de jogos, ligações que nunca acontecem se, nós compactuamos com o jogo e nós damos o telefone sabendo que foi apenas mais um número naquela agenda? Porque fazemos sexo para agradar e esquecemos que nós também estamos ali e precisamos sentir prazer tanto quanto o outro? Porque cansamos de ser nós mesmas? Por que perdemos a esperança tão cedo? Porque sofrer significa amar; porque sofrer para amar? Porque não mudamos a fórmula e começamos a acreditar que sim: Jamais devemos perder a esperança de um FINAL FELIZ.

Acredito que esteja difícil encontrar o nosso par. Justamente porque insistimos em continuar com a mesma postura nociva. Mas é que durante muito tempo resolvemos nos acomodar na zona do conforto da segurança em não se envolver. Muitas vezes percebemos que esse pode ser o cara ou essa pode ser a mulher, mas por um medo qualquer, seja por medo de se machucar, ou de sofrer as agonias e alegrias de estar apaixonado, ou por medo de perder a tão suada liberdade conquistada, enfim, fechamos a porta do que de repente poderia ser o fim da nossa eterna busca.

Estamos viciados no amanhã, em bocas novas, em camas diferentes, sempre pensando que se hoje foi bom, amanhã pode ser melhor ainda. Esse é o nosso erro: Não damos valor ao momento, passamos por ele sem nos envolver, sem nos importar com nada, somente em tirar proveito de tudo que o momento nos possa dar e mais nada. Muito desse desgaste emocional poderia ser evitado se ao olhar para o outro enxergassemos uma pessoa,um alguém e não um produto que a gente compra, usa e joga fora;

Claro que, na maioria das vezes, nós gostamos de ser esse produto usável e descartável e depois reclamamos. Será uma espécie de auto punição que nós próprios nos fazemos? Até quando vamos nos sentir seres excluídos do amor? Porque achamos que não merecemos ser felizes e continuamos fazendo coisas que sabemos que, amanhã estaremos tristes, sozinhos e ainda por cima como uma super mega ressaca moral? Não temos desculpa e não somos enganados, na maioria das vezes nós somos os responsáveis pelos nosso sofrimentos e por nossas decepções. Até porque identificamos com o nosso "dedinho" o que presta e o que não presta (dificilmente nos enganamos) e mesmo assim, continuamos na postura errada com uma esperança de mudar o que talvez nem a própria vida mude.

Precisamos de esperanças reais, de auto confiança. Não precisamos mudar ninguém, cada um precisa descobrir por si só o que precisa ou não mudar. Tentar mudar alguém, ou construir uma fantasia sobre o outro, é procurar continuar no sofrimento e no vazio.

Nada é fácil e, o que geralmente não requer esforço, vai embora muito rápido. Faça a sua mudança, procure ser você e quem sabe, seu tão final feliz não te surpreenda?


Beijos

Lud Figueira

Nenhum comentário: