sexta-feira, 19 de novembro de 2010

FOCO OBSESSIVO

Não tem nada que um bom desafio, uma aposta entre você e você mesma para conseguir o, até então, inatingível. Tem pessoas que fazem valer a frase: "Eu me amo mais e não aceito sofrer por quem não me quer!", tem outras pessoas (a maioria) que pensa "Eu vou virar o jogo, ele ainda vai estar aqui, na palma da minha mão, correndo atrás de mim, vocês vão ver!". Justamente é aí, que entra o foco obsessivo: Você passa os limites do amor próprio, da sensatez, não mede esforços para conseguir nem que seja uma migalha de atenção do outro, perde o respeito e o pior: Só consegue afastar mais rapidamente o outro da sua vida.

A rejeição é cruel. Lidar com isso, admitir isso é a pior parte. O pior é quando esses caras que não sabem o que querem e nos coloca em “banho Maria”. Alimenta a cada dia o fio de esperança que cultivamos e, quem sabe, fazer parte do dia a dia deles e não só da cama; lugar que conseguimos com êxito, mas que também somos facilmente substituídas. Até porque, como não tem sentimento, fica mais fácil a substituição dos corpos.

E quando sabemos que as histórias contadas são mentiras e mesmo soando aos nossos ouvidos com tanta veracidade que, mesmo sentindo o alarme da desconfiança tocando, caímos rumo a mais um papinho mole, um sorriso frouxo e outras coisinhas.

Claro que, ouvir a verdade iria despencar um mundo de ilusões construído sobre as migalhas fornecidas, mas iria nos livrar de maiores decepções. Mas quem disse que eles querem falar a verdade? Quer deixar a gente seguir o caminho? Quem que eles vão ter para encher o ego deles? Como assim eles vão deixar as disponíveis saírem da vida deles, assim? Eles precisam das fracas ( as que amam um caso difícil) para renderem para eles...

O pior é a manutenção, essa velha amiga dos homens que vivem deixando vírgulas e por insegurança pelos dias das “vacas magras” não sabe falar não e vivem no mundo das desculpas mais esfarrapadas que por incrível que pareça merecemos ouvi-las, pois caímos em todas. Acho que é até por isso que ainda exista esse tipo de homem, porque mantemos a espécie dele viva. Compactuamos com essa existência infame e mesmo reclamando não fazemos nada para mudar esse jogo; aprendemos a deixar o coração tolo falar mais alto, onde temos que ter em mente que coração na maioria das vezes possui radar errado e que um pouco de razão não faz mal a ninguém.

Quem vai dar o braço a torcer e ver que precisa largar esse foco obsessivo? Quem vai dar tchau a uma vida dramática, cheia de solidão e dar um oi a um novo mundo, cheio de possibilidades?! É bem verdade que nesse momento ficamos cegas, mas é só dar adeus e começar a olhar para os lados: De repente você está deixando de conhecer alguém que realmente valha a pena.


Beijos

Lud Figueira

@ludfigueira

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Você quer deixar o outro fazer parte da sua vida?

Era uma vez uma mulher que estava em busca de um namorado. Na segunda ela conheceu um cara, na terça, na quarta, na quinta eles saíram e na sexta ele a pediu em namoro. Rápido demais? Loucura? Não. Simplesmente duas pessoas estavam em busca das mesmas coisas e ambos cederam tempo e vontade para se conhecerem. Além do mais, quem é que não tem pressa em conhecer o outro quando se esta afim? Com o tempo as coisas ganham certa calma, mas no começo, é uma pressa entendida pela ansiedade. Claro que os dois trabalham, estudam, tem lá seus afazeres, mas esta aí, a prova que quando realmente queremos conhecer alguém, quando realmente ficamos com alguém e esse alguém não passa despercebido e investimos em conhecer mais e o outro sente o mesmo, essa entrega é incrivelmente valiosa.

Acredito que para se começar uma relação, para querer fazer parte da vida de alguém, modificações são necessárias para criar tempo e espaço para o outro. Acho o que o contato telefônico é importante, mas, creio que no início o contato visual é o determinante.

Você quer descobrir tudo sobre o outro, quer saber o que gosta e o que não gosta; o filme favorito, o lugar que mais gosta de ir, a comida favorita... A ansiedade pelo outro, é algo normal de um início de relacionamento. Além do mais, têm o sexo, algo que você possui vontade, curiosidade de conhecer cada pedacinho do ser amado em questão. Descobrir as afinidades e as diferenças faz parte desse kit de conhecer o outro.

Tudo isso é possível de acordo com as prioridades de cada um. Os espaços, ausência deixada no começo é algo que gera certa desconfiança. Ou seja, se começa uma relação com o pé atrás. Exemplos: Imprevistos geralmente em finais de semana, alguma confusão familiar, viagens a trabalho, coisas que podem até serem verdades, mas que deixam dúvidas no ar...Uma hora pode, na outra não, a pessoa fala uma coisa, depois fala outra... Mensagens, manutenções exageradas. Encontros reais que são bons, não acontecem...

O exemplo do casal acima é algo bem raro. Mas, na real, o que importa é o caminho que você vai seguir que melhor vai deixá-la (o) feliz para amar e ser amada (o).

Beijos

Lud Figueira

@ludfigueira

sábado, 6 de novembro de 2010

Eu vou, eu vou, a caça agora eu vou...

Durante as férias que tirei do blog, aconteceu tanta coisa, que eu nem sei por onde começar. Teve amizades que não sobreviveram, outras que se afirmaram e outras ainda que começaram; gente querendo desesperadamente dar e outros fugindo para não comer, decepções, lágrimas, surtos, risos, uma dose de loucura, mudança de caminho, pegando a direita ao invés da esquerda, parando com vícios, conhecendo diferentes mundos, novas pessoas e novas histórias... Realmente, tive bastante material para novos textos. Conclusão: Você quer? Então se prepare para a caçada de cada dia!

Aprender a desistir e parar de insistir com quem não quer nada com você, não é nada fácil. Não ceder a olhares sorridentes, a carinha de bom moço, e aprender a controlar essas emoções sem fundamento que, o nosso coração sente só para nos deixar mais confusas e iludidas, é algo que só é conseguido depois que você consegue enxergar e ver que essa tal situação, esse tal gostar NÃO te faz feliz, NÃO te faz bem. Até porque, estamos velhos para compactuar com essas relações nocivas, platônicas, com essas ausências e desculpinhas baratas. Vamos ACORDAR!

Cheguei à conclusão que temos o que buscamos. Se estivermos infelizes, pode ter certeza que a culpa não é de outros é só sua. Você já está bem grandinha e, quer saber: Você já sabe diferenciar o que é certo e o que é errado. Isso serve para os homens que também possuem coração e são facilmente enganados por carinha de anjo e corpo de capeta. Olho aberto!

Eu cansei de esperar pelas regras, de seguir regras, de ficar preocupada com o que um ou outro vai falar ou pensar. Eu dito minhas regras, eu faço acontecer, eu programo e mando na minha vida. Se você quiser vir comigo, ótimo; mas se não quiser, problema seu. Não sabe o que está deixando de ganhar!

Muito desperdício de energia, muita ruga de preocupação com quem não está nem aí para você! Ninguém muda, a vida é que nos ensina a ver as coisas de outros ângulos. Fique atenta!

Creio que ter objetivos, traçar metas é super importante. Mas para atingir tudo o que se deseja, não perca o foco. É extremamente importante que você não desvie seu foco para abrir exceção, fazer caridades e outros.

Andamos tão exigentes que, fazer uma caridade ás vezes pode ser uma péssima idéia. Se você sabe o que deseja, não desvie seu caminho por desejos que podem ser controlados. Além do mais, não é muito legal se arrepender depois.

Caçar ou ser caçada? É isso aí. Se renda a selva dos dias de hoje e não se preocupe com rótulos e fofocas masculinas. QUANDO SE QUER, NÃO TEM ESSA. Lembra do último texto? Gente, não há regras. Há personalidades e vontades.

Cuide antes, de seus interesses. Vale ás vezes, uma dose de egoísmo!

Beijos

Lud Figueira

@ludfigueira