terça-feira, 29 de março de 2011

FICAR JUNTO? Ou ESTAR PERTO?


“Gostaria de encontrar uma fórmula para nunca mais precisar me despedir de você. Acho que vinte e quatro horas não são suficientes para nós dois. Mas, quer saber a pior parte? Dormir e acordar longe de você...”

Estava conversando outro dia, e me deram a seguinte definição sobre namoro e casamento. No namoro, há o interesse de “ficar junto”, ou seja, vocês aproveitam o tempo fazendo tudo juntos, se isolam do mundo, ficam egoístas, pois o tempo de vocês é pouco para compartilhar toda hora com amigos, família. No casamento, o interesse é “ficar perto”, ou seja, um pode estar trabalhando no quarto e o outro lendo na sala, mas cada um sabe que o outro está ali...

Perfeito! Fico com os dois...

Cada etapa de um relacionamento é um degrau importante. Para se completar um caminho há que se completarem as fases, igual a um vídeo game. Você passa por fases fáceis, outras difíceis, até chegar ao final. Ou a um novo começo... Mas você só vai saber o que virá, ao passar por cada fase, ou seja, não vale pular, mesmo que a vontade seja essa...

Gostaria de compartilhar o que considero ser um namoro de verdade:

Existe o estado da paixão, existe a possível permanência desse sentimento em nossas vidas. O “amo você” cada dia conhece uma proporção maior,

Tudo que você achava ou acreditava ou pensava, esquece! Só vivendo um dia após o outro ao lado de quem se ama para ver que seus pensamentos de antes não são os mesmos... O amor modifica seu olhar, pois a todo o momento um turbilhão de sentimentos diferentes lhe invade... E não há manual de instrução, você se joga se entregue e aprende um pouco a cada dia.

O namoro é um teste, é uma convivência, é um compromisso, é uma doação. É um querer, uma curiosidade sem fim pelo outro, de querer conhecer cada pedaço, cada cheiro, cada sorriso e cada tristeza. É querer estar, compartilhar todos os momentos da vida. É ter em mente que momentos “bads” ajudam no fortalecimento do relacionamento, pois ninguém é perfeito, o que torna tudo mais humano e descontraído.

É olhar para o outro e se sentir incrivelmente completo. É saber aprender com os erros, e também reconhecer quando o outro está certo... É ter uma rotina e sair dela quando se queira, é desafiar seus limites e testar sua paciência.

Um namoro é uma entrega total de duas pessoas que se amam e que não possuem medo de arriscar, de errar, de VIVER!

Beijos

@ludfigueira

quarta-feira, 23 de março de 2011

Alô? Oi? Está me ouvindo? O quê? Ahan? Não entendi....


Os meios de comunicação são muitos. Mas, mesmo assim, o único meio de comunicação que eu consigo entender o outro e me fazer entender é o ao “vivo e a cores”. Esse, nunca deixa dúvidas!

Eu não sei se vocês já passaram por isso, mas eu demoro a me acostumar com mudanças. Imagina você vivendo uma eterna “lua de mel”, Altas declarações todos os dias, se encontrando todos os dias, quase “dois em um”. De repente uma pequena viagem de uma semana coloca tudo de pernas pro ar: A comunicação fica complicadíssima e qualquer “tchau” sem “eu te amo” vira um pesadelo.

A saudade atrapalha, vou lhe dizer. Você fica mais vulnerável, pois não está ao lado do outro, fica “chatinha”, “carente” e todos esses sintomas tomam proporções gigantescas e fazem você e o outro “pirar”!!!

Bom, o que fazer? Vamos aprender juntos? Porque eu também não sei. Posso ficar aqui falando um milhão de coisas, mas não vai adiantar, pois cada casal tem seu tipo de entendimento... Opinar? Perigoso...

Fico pensando que é preciso buscar sua segurança emocional aonde você esqueceu e seguir adiante.

Ponto número 1: A comunicação não está boa. Tudo bem. Basta você saber e ele também que vocês se amam, são adultos e vão entender esse mau momento de comunicação. Nada de fazer disso uma tempestade para crises que não existem.

Ponto número 2: Respirar fundo, contar carneirinhos, para não quebrar o celular e não descontar no outro o fato de você está falando A e ele B. Isso é outra saída bem legal para evitar “briguinhas”.

Ponto número 3: “DEIXA QUIETO”. Não tente mais nada. Fica na sua e espera a tempestade passar. Ou uma comunicação melhor....

Lembre-se: Quando vocês se reencontrarem, serão tantos beijos e abraços que essas bads todas nem serão lembradas...

“Está tudo bem”.

Beijos

@ludfigueira

terça-feira, 22 de março de 2011

A impaciência é uma forte inimiga.

Sabe aqueles dias complicados, onde você não comeu direito, não dormiu bem, as coisas que você precisava resolver foram resolvidas da maneira mais difícil e cansativa, sua comunicação com seu namorado foi péssima e no final do dia você ainda teve uma conversa super complicada e estressante com um ente da família? Pois então, meu dia foi assim.

Tenho um mega defeito: Sou hiper, mega, ultra impaciente. Quero resolver tudo para ontem. Mas, na maioria das vezes, esqueço que a melhor forma de conseguir um bom resultado é sem dúvida, saber esperar. Uma tarefa bastante complicada para alguém que não sabe o que é isso.

Fico mais chateada quando acabo descontando em quem não tem nada a ver, em quem só quis me ajudar, em quem nem sabe o porquê de eu estar tão aborrecida. Ou seja, se eu já estava com problemas agora criei mais um. O que só piora as coisas.

Tem horas que é importante parar. Parar e pensar em tudo, parar e pensar se é desse jeito que você quer que a sua vida continue. Importante separar as coisas, colocar tudo no lugar, melhor: SABER O LUGAR DE CADA COISA EM SUA VIDA. Por onde andam as suas PRIORIDADES? Seus OBJETIVOS? Por onde anda VOCÊ?

Aí vem a sua mãe e fala para você às verdades que você sabe (MAS POR UMA COVENIÊNCIA DO MOMENTO FINGE NÃO SABER), pois você não é mais criança, mas tem atitudes parecidas como a de uma criança, pior: atitudes de uma criança mimada, daquelas que ninguém agüenta fazer nem um carinho. Chato, né? Mas, infelizmente ela não está errada (O QUE FAZ COM QUE VOCÊ FIQUE AINDA MAIS ABORRECIDA E VEJA QUE SUA POSTURA NÃO ESTÁ LEGAL). E não importa a idade que você tenha, mãe serve para isso:

-----PUXAR SUA ORELHA QUANDO ELA ACHAR QUE VOCÊ NÃO ESTÁ INDO PARA UM CAMINHO CERTO E TE COLOCAR EM CONTATO COM A REALIDADE, A REALIDADE DA VIDA. E MOSTRAR QUE SUA REALIDADE ESTÁ PERDIDA DE REPENTE, NA TERRA DO NUNCA. (reflita)

Sonhos são válidos. Sonhar é maravilhoso. Acredito que muitos podem se tornar possíveis, mas para isso você tem que abrir mão de algumas coisas, sair da zona de conforto que você vive e ir à luta. O que muitas vezes faz você enxergar o mundo de uma forma menos divertida e romântica. Pois nem tudo são flores...

Ser dona da sua vida, conseguir sua independência pessoal e financeira é algo que só com seu esforço, empenho e dedicação poderá conseguir... E mesmo assim, não vai ser de um dia para o outro e, muitas vezes, você vai precisar de uma dose extra de paciência e como não pode faltar em nossas vidas, bom - humor.

Se você com você não está legal, o que você pode esperar do seu relacionamento com os demais? O provável: Que eles se afastem cada vez mais de você.

“Você pode tudo”. Só não pode se entregar aos problemas e ao baixo-astral.

Você, assim como eu, não pode nunca desistir!

Beijos

@ludfigueira

domingo, 13 de março de 2011

Administrando o amor


Depois de dar uma “fugidinha” que durou o final de semana todo, agora vem às verbalizações.

Sexta-feira foi um dia bem ‘bad’. Aconteceu um milhão de coisas. Na verdade, elas ainda estão prestes a acontecer, pois o clima em casa não anda nada bem. Depois, a procura por algo mais estável na minha carreira está virando uma utopia... Juntou vários problemas e eu explodi. A diferença era que agora eu tenho um namorado. Não posso desaparecer ou falar para ele me esperar um tempo para ir ‘ali’ e resolver meus problemas. Agora, ele faz parte da minha vida.

“Agora, ele faz parte da minha vida”. Verdade. Agora, não estou mais sozinha. Isso é maravilhoso, mas rolou um pânico em verbalizar problemas, mostrar o outro lado da força... Fiquei com medo de ele sair correndo. Mas, ele ficou. Quis ficar ainda mais ao meu lado. E, para espantar todos os problemas e respirar novos ares, viajamos.

Incrível. Uma pena ter passado tão rápido. Uma pena amanhã ser segunda-feira e tudo voltar ao normal. Mas, valeu á pena. Está sendo uma descoberta para mim cada minuto que passo ao lado do amor. Experimento várias sensações. Têm horas em que eu tenho vontade de virar para ‘ele’ e dizer: “Não vamos mais nos despedir!” ou “Fica comigo até o sempre nos deixar?” Ok. Sei que parece uma maluquice você sentir vontades como essas tão cedo, onde você mal conhece o outro... Mas, realmente é difícil tentar explicar esse sentimento que sinto, uma vez, que nem eu o entendo e mal encontro uma lógica nisso tudo. Em outros momentos, penso que nada como respeitar as fases de um relacionamento: Namorar bastante antes de qualquer coisa. No começo, acredito que seja normal sentirmos tantos sentimentos ao mesmo tempo, tanta oscilação de humor, tanta dúvida ou tanta coragem de se arriscar. São nessas horas, que, viver um dia de cada vez, é o ideal.

Dormir junto é uma delícia. Por mais que haja alguns atritos: Ele ou você se mexe muito, um ou o outro ronca, um gosta de dormir separado e o outro enrolado ao outro... Saber que o outro está ali, que ao acordar você receberá aquele abraço... Ah! É UMA DELÍCIA! Ficar juntinho, já é perfeito. Não ter hora para ir embora, melhor ainda...

Acho que não contei ainda, mas eu que o pedi em namoro. Demorei um pouco para entender que o pedido tinha partido de mim, uma vez, que sempre esperei que o pedido partisse do outro... Mas, nesse caso, o pediria quantas vezes fossem necessárias. Não poderia ter encontrado companheiro melhor. Graças a Deus não é perfeito, pois ninguém é. Mas, é exatamente meu número. Com ele, estou aprendendo que ‘namorar’ é uma relação altamente divertida, onde dou muitas risadas e o melhor: Cada um, aceita o outro com as qualidades e defeitos, o pacote completo!

Como há dias ensolarados, a também dias de tempestades. Tivemos alguns momentos ‘bads’, que fazem parte de qualquer relacionamento. Até para ajudar a você conhecer o outro. Tenho que confessar, que graças à ‘bagagem’ que ele adquiriu em outros relacionamentos, a paciência e a compreensão dele, estão sempre em alta! Porque, posso ser uma ‘consultora’, mas também sou uma mulher, que comete erros e acertos. Como qualquer ser humano...

Vou dizer que um amor como esse que encontrei, é muito raro. Até porque, achava que pessoas como ele, que não fazem jogos, não existissem mais. Além de um alto nível de sinceridade, companheirismo e claro: Bom - humor. Como não é impossível, atenção você que está solteira: Não perca as esperanças. E para você que quer uma namorada, que tal repensar em algumas atitudes?

Administrar algo que você não tem controle sobre seus sentimentos lunáticos. Essa é minha grande meta: Dosar bem sentimentos (ao menos as oscilações de humor), rotina, loucura, medos, sonhos, desejos, vontades nada convencionais. Até porque, intensidade de momentos, nos leva a pensamentos e vontades que, ás vezes, é irracional...

Cometo uns errinhos, em outro momento, uns acertos e assim, vou dando continuidade a essa deliciosa aventura de estar NAMORANDO.

Beijos,

@ludfigueira

sexta-feira, 11 de março de 2011

Família é sempre família

Família é uma coisa engraçada: Uns não se entendem, outros convivem entre tapas e beijos, outros falam alto demais, outros fingem que não se conhecem, outros resolvem seus atritos com bate boca, outros partem para agressão, outros são muito bonzinhos, outros não brigam com ninguém e parecem que no lugar do sangue nas veias rola suco de maracujá. Tem os que falam mal, os que ferem com palavras, os que estão sempre ali, incondicionalmente... Os que amam demais, os que não perdoam e os que sempre estão de braços abertos te esperando a qualquer momento...

Amigos podem fazer parte da nossa família. Podemos ter mais intimidade com os nossos amigos do que com nossa própria família. Podemos, em alguns momentos, nos sentirmos mais seguros ao lado dos amigos do que da própria família. Mas, tem momentos que você vai lembrar que mesmo com tantas considerações, ele é seu amigo e ponto final.

Na hora da raiva esquecemos-nos de muitas coisas... Mas lembrem sempre: Mãe por mais louca que pareça, sempre tem razão...

Beijos

@ludfigueira

quinta-feira, 10 de março de 2011

Louca por você ...


Quer saber? Vou contar...

Uma amiga muito especial, certa vez me disse:

“Eu não consigo prever as coisas, mas consigo vivê-las. Se eu quero, por que não posso? Não tenho o direito de errar? Não posso contrariar a teoria das probabilidades e o que eu quero dar certo? Posso deixar essas pré-ocupações de lado, ao menos uma vez?”

Achei-a uma louca varrida. Como assim não se preocupar com o amanhã? Pode-se tentar evitar um erro, mas não havia pensado que de repente, pode dar certo...

Mas, no meu antigo mundo, achando que tudo precisa de tempo e um planejamento necessário e preciso, sempre calculando e controlando tudo, analisando as probabilidades fui vivendo. Até ser flechada pelo amor. Até ficar completamente entregue, até ficar sem saber o que é certo e errado, percebi que o que sempre achei o correto fazer, exemplos que me pareciam os melhores a serem seguidos, podem não ser.

Sim. O amor é um sentimento completamente louco e descontrolado. Como dizer não se você quer dizer sim? Como ser racional e tradicional no momento em que você se sente completamente irracional e inebriado por esse tal sentimento que o consome e que você o quer mais a cada dia?

Arriscar. Arriscar tudo sem ter medo do amanhã. Se entregar é a maior prova de se jogar aos ‘leões vivos’ com o coração aberto.

“Vou sim, posso sim, quero sim e ninguém manda em mim.” Prefiro viver arriscando a sempre ficar na minha zona de conforto imaginária...

Não consigo ser como antes, não consigo ser ‘certinha’ e muito menos agradar a todos sempre. Pois agora, só quero fazer a minha vontade. Desculpe, mas não consigo evitar esse furação que me desconstruiu e me bagunçou toda.

Sair do seu lado todas as noites ou pela manhã, seguir regras de conhecer o outro, ir com calma, está fora dos meus planos, da minha vontade. Quero você e ponto final.

Desejo-lhe ardentemente. Tremo-me dos pés a cabeça quando sou tocada por você. Arrepio-me em cada beijo e sinto-me estranhamente solitária quando ao olhar para o lado você não está.

Demasiado sentimento? Muita sede ao pote? Sem razão? Sei lá. Mas está difícil me despedir toda hora de você.

Me diga: Do que valem tais regras quando se está amando sem reservas? Só quero seguir meu coração, seu sorriso, seus beijos, seus abraços e, seu coração....

Estou com você. Loucamente ou racionalmente, é você que eu quero para toda uma vida.

Sem mais,

@ludfigueira

segunda-feira, 7 de março de 2011

72 horas: Loca loca loca


Verbalizações necessárias para diminuir a loucura...

Fazer amor é melhor que fazer sexo. No amor, há uma entrega total, algo que transcende, não há como explicar; no sexo há uma troca de prazer, momentânea, carnal e sem sentimento (o que faz toda diferença). Mas, um é melhor que o outro, depende do que você procura.

Rir é maravilhoso. Rir com o outro é um estado de prazer incrível. Acompanhado de beijos intermináveis, melhor ainda.

Carnaval namorando não tem bad! Tem muita animação e diversão! Ainda mais quando seu namorado entra no clima e vai para os blocos com uma camisa customizada por você onde está escrito: “Tem dona! Amo minha namorada!”. Brega, meloso e lindo, como o amor deve ser!

Dormir e acordar com quem se ama, é a melhor sensação do mundo! Quando se ama, não percebemos o passar do tempo e, ficar no quarto, horas, jogando conversa fora, ouvindo música ou apenas estar na companhia do outro é se desligar do mundo...

Acordar às sete horas da manhã, com chuva e tempo nublado, porque seu amor adora blocos de carnaval e se divertir mais que ele, não tem preço!

Brincar ao invés de brigar é uma excelente saída.

Não enjoar da companhia do outro e querer sempre mais, é o estado completo do amor.

Mas, sempre chega à palavrinha mágica chamada: PÂNICO, para trazer você ao mundo real, quer dizer: Ao seu mundo louco... Vamos para a segunda parte:

Por mais que existam milhões de manuais de instrução para diversas coisas, lamento informar, mas, para o amor, é cada um por si e Deus por todos. Então, erros e acertos trilharão seu caminho para o sucesso ou para o fracasso de seu relacionamento. Está em suas mãos à chance de ser feliz e abandonar medos e grilos e bads do passado.

Exatamente. Há uma necessidade básica de deixar comparações de lado e ser feliz. A dramatização de fatos precisa ser trancada a sete chaves e, após, ser jogada fora. Praticidade e agir de acordo com o momento e se entregar é o que se deve fazer. Sem pés atrás...

Qualquer oscilação sua, quem mais sente é o outro. Se não há dúvidas, porque as procura? Se estiver tudo bem, porque criar algo para ficar tudo mal? Inseguranças femininas sem sentido e medo do que não existe.

Cansativo. Lidar com suas loucuras de anos é um problema seu. Não os traga para sua relação que não tem nada a ver com isso.

Viva cada momento tranqüila e lembre-se: Está tudo bem e ele te ama. Não há porque desse drama que te persegue sem motivo.

Sentimentos vividos pela primeira vez são assim: Incrivelmente irracionais e maravilhosos. Mas, há sempre um “medinho” de acabar algo que você deseja sentir para sempre. Conselho: Que seja eterno e maravilhoso cada dia que você viva ao lado do seu amor e, deixe para sofrer, chorar, se preocupar, quando algo ‘bad’ de verdade acontecer!

O relacionamento é feito de duas pessoas. Então, o que acontece com um de bom ou ruim automaticamente reflete no outro, pense sempre nisso antes de ‘catar cabelo em ovo’... (ver problema aonde não tem).

Particularmente não lido bem com despedidas. Por mais que seja um ‘até logo’, sempre me causa um frio estomacal. Uma bobeira sem nexo. Talvez pelo fato de ter me despedido muitas vezes pela vida... Sei lá. Sempre quando há uma quebra de rotina, me desestabiliza, me bagunça... Mas, sei que é algo temporário. Afinal, Não há o que temer!

Abra um sorrisão, diga em alto e bom som um “EU TE AMO” seguido de um beijo daqueles que não há como resistir...

Beijos

@ludfigueira

Ciúme, ciúme de você...

Você é uma pessoa ciumenta? O que é o ciúme? Sabe lidar com isso? Para o outro, passa despercebido ou, você explode e sempre dá um chilique e logo vem uma briga? De repente você faz a linha “paz e amor” e está sempre “tudo bem”?

Ciúme seria uma falta de segurança ou uma falta de segurança em você?

Bom, eu disse uma vez, em algum texto, que o ciúme em dose mínima é permitido e utilizado como um bom tempero. Mas, pensando melhor, o ciúme é um sentimento sem graça e muito chato. Primeiro, que até o ciúme bobo, cansa. Segundo, que mostra uma falta de confiança no outro e em você, terceiro tente viver sem ele, ciúme é um sentimento bem cafona.

E quando o seu ciúme desperta os olhos do outro para alguém que, na real, ele nunca havia reparado? Bom, nesse momento se você não tinha motivos para o ciúme sentido, agora passou a ter...

Ok. Tudo bem que é só você começar a namorar que um monte de ‘moscas varejeiras’ se postam ao seu lado e do seu amado. Um verdadeiro inferno, pois, a felicidade alheia causa inveja. E, a maioria não sossega em quanto não consegue destilar um pouco de veneno e discórdia nos casais ‘in Love’.

Ah, também temos o quesito ‘melhor amiga’ ou ‘melhor amigo’. Costumo usar a seguinte expressão: Ficar perto dos inimigos é uma ótima tática de jogo. Nunca arrume confusão com essas pessoas, pois a derrota será feia. Boa saída é a simpatia e fazer ouvido morto para ‘piadinhas’ sem graça que sempre tem alguém que solta por aí.

Essas são as principais armadilhas desse sentimento tenebroso. Fique esperta e não precisará passar por situações ‘bads’.

Acredite no que você conquistou no ser amado, acredite no seu potencial. Inseguranças fazem parte da vida, mas aprender a lidar com esses sentimentos é uma excelente dica para manter a paz e o amor em seu relacionamento.

Mantenha-se longe do ciúme: Um péssimo conselheiro.

Beiijos

@ludfigueira

sexta-feira, 4 de março de 2011

Dependência – destruidora de vidas


Cheguei em casa depois de mais uma noite de amor. Quando você encontra o amor que esperou toda uma vida, fica um bom tempo flutuando e tentando espalhar todo esse sentimento que não cabe dentro do seu peito para os demais. Mas, nem sempre os outros se contaminam com esse vírus ‘meloso do amor’.

A história de hoje, não teve um final feliz. Por mais que eu insista em dizer que o final para esses dois ainda não existiu. Como sou brasileira, tricolor e não desisto nunca, penso que de repente ainda exista um final feliz para eles.

Eles se conheceram muito jovens. Em pouco tempo ganharam um presente de Deus (um filho) e a pouca idade dos dois fizeram com que cometessem erros típicos de uma imaturidade “digamos normal” para a faixa etária. Conclusão: Durante sete anos, tentativas frustradas de idas e vindas ocorreram.

O cenário mudou. Os dois jovens cresceram e cada um viveu experiências, tiveram outras pessoas pelo caminho e se reencontraram outra vez.

Ela, agora não tinha mais 16 anos. Ela agora tinha 23 anos. Tinha deixado aquela menina para traz que havia ficado grávida do seu primeiro namorado, que havia perdido amigos, e, enfrentado muitos obstáculos. Olhando para traz, ela deu a volta por cima. Descobriu outras formas de amar, conheceu outros amigos, o sexo, à noite, o mundo de gente grande. Cometeu vários erros e acertos até se construir outra vez. No meio disso tudo, ela viveu emoções incríveis com um bebê que virou um grande rapaizinho.

Ele, agora, tinha 27 anos. Havia deixado para traz o ciúme e o sentimento de posse que um dia sentira por aquela menina que conhecera. Hoje, se encontra mais calmo e percebeu que sua vida não andou para frente e nem para traz: Se estagnou ao perder o amor que nunca mais encontrou em nenhum lugar, em nenhum outro coração. Ao invés de progredir, descobrir coisas novas, nosso amigo continuava a alimentar um amor não correspondido. Como se encontrava diferente em relação ao comportamento passado, ele, numa tentativa desesperada, se reencontrou com seu único amor e lhe pediu: “Volta para mim, por favor! Sem você não tenho vida. Faço tudo para ter você de volta, aceito qualquer coisa, mas volta para mim!”.

E, depois de dias conversando, apoio de tudo e todos, ela cedeu. Ela resolveu voltar. Não se sabe se por pressão, ou por uma nova proposta de comportamento de seu antigo amor. Viu aquele rapaizinho feliz por ver papai e mamãe juntos. Apesar da vida dela estar uma confusão de sentimentos e bem movimentada, ela resolveu aceitá-lo de volta.

Ele realmente mudou ao voltar para ela. Retomou a faculdade, começou a buscar emprego e participou da vida do filho como jamais havia feito. Mas ela não. Ela não se entregou e nem tentou de verdade. Mesmo morando junto, continuou como se estivesse solteira, fazendo o amado amargar momentos cruéis de solidão. Por medo de perdê-la outra vez, fechou os olhos para tudo que ele não gostava, para as atitude e insatisfações que ela manifestava. O medo de perder aquela última chance, o tornou dependente daquela menina-mulher. Ela se aproveitou disso e se acomodou. Ele passou a ser visto como um homem sem amor próprio, sem voz, que vive para seu amor e não com seu amor.

Até que ele cansou. Jogou tudo para o alto e ela, dessa vez, também explodiu. E, a separação aconteceu.

Ela voltou com ele por amor? Por pena? Ela deixou vícios e amizades nocivas para traz para tentar de verdade como ele estava fazendo? Não. Ele percebeu que antes de amá-la precisava se amar? Que amor não se pede? Que não existe amar por dois? Que não é legal se contentar com migalhas? Que dependência só traz sofrimento? Não...

Perdeu-se o respeito e o amor. Que amor? Será que esse sentimento doentio por ela era amor? Será que ela realmente o amou, tentou de verdade?

Não sei. Agora temos um problema com um rapaizinho que entende tudo e precisará de muito carinho e atenção para entender esse novo rompimento dos pais. Que de repente, não pensaram duas, três vezes antes de tomar uma decisão no calor do momento, que ela, ao aceitá-lo de volta esqueceu-se de pensar naquele rapaizinho, quando não tentou de verdade. E ao invés de conversarem e buscarem um entendimento sem atropelar um ao outro, jogaram tudo para o alto como um jovem casal de namorados e não como adultos que estavam morando juntos.

Conversas acontecerão. Mas, antes dela, espero que a razão e o coração participem de uma forma clara e justa. Para não haver mais mal entendidos.

Dependência não é legal. O amor é um complemento e não uma muleta.

Admirar o outro, é essencial para um relacionamento. O amor precisa de uma dose diária e não uma overdose de sentimentos diários e confusos.

O amor próprio vem primeiro.

Beijos

@ludfigueira

quinta-feira, 3 de março de 2011

Namorados


Eu disse: “Quer namorar comigo?”

Ele disse: “Quero!”

Foi assim. Ainda disse que ele teria que fazer o pedido, seguido de uma garrafa de mate com limão. Mas, depois de um tempo, achei que não precisava mais. Até porque o melhor da vida é quando somos surpreendidos, quando nossos planos tomam rumos inesperados e encontramos uma felicidade extrema. Com pedido dele ou não, considero-o meu namorado.

Apaixonei-me por cada pedacinho dele. Era completamente louco me imaginar sentindo saudade após se despedir do outro, querer está perto sempre, pensar, desejar... Hoje, acho absolutamente normal sentir todos esses sintomas do amor. Claro que o mais fascinante disso tudo, é saber que o outro se encontra na mesma sintonia...

Diversão é garantida. Verdade. Não tem um minuto que não damos boas risadas, beijos intermináveis e implicamos de brincadeira com o outro. Falamos do futuro, fazemos planos de “mentirinha” e alguns que podem, quem sabe, se tornarem reais.

Até os momentos ‘bads’, são permitidos beijos horríveis.

Comemos besteiras, vamos ao cinema e andamos sempre de mãos dadas. Freqüentamos um a galera do outro e aos poucos, apresentamos um ou outro membro da família. Fazemos declarações melosas ao longo do dia e 'seguramos' um pouco a onda em público. (casais melosos demais atraem inveja ou irritação dos demais).

O ‘eu te amo’ entrou definitivamente em nossas vidas, deixando o ‘eu te adoro’ pequeno demais. Ás vezes bate um medo sem nexo, mas é normal quando sentimos algo tão especial, tão único por alguém. Sentimento tão incrível esse chamado amor!


Conversas sobre o bichinho da discórdia chamado ciúme foi tema de algumas verbalizações. Mas depois de um olho no olho e um: "Eu estou e confio em você", espantou qualquer bad presente e futura. Foi a segurança que ele me passou que me fez esquecer que ele poderia ser vítima por aí (mas as vezes surge umas 'garras' em mim...).


Namorar é como uma divisão de gêneros de filmes: Tem romance, drama, ficção, comédia e alguns momentos de terror. Tudo em um pacote só! Emoção não falta.


Namorar é uma delícia!

Beijos

@ludfigueira

terça-feira, 1 de março de 2011

Eu aceito!

Esse amor, louco amor, para todo sempre. Ele chegou e se instalou. Não pediu nada, mas, conquistou tudo e mais um pouco. Não tem para ninguém! É ele e pronto.

A vida passou a ter outro significado. Sim, um amor para me ensinar a amar, a saber, na real, com direito a dia-a-dia, o que esse sentimento faz com a vida das pessoas. Cego, surdo e completamente desequilibrado. Na verdade, o amor chega assim e com o tempo, vai se equilibrando, tomando formas, criando laços, futuro...

Como a palavra “pânico” não pode faltar em meus textos, lá vem ela: Ah, o pânico se instala por todo o nosso corpo ao sentir tal sentimento invadindo-nos, fazendo coisas inimagináveis, falando coisas que, não tem sentido. Mas, depois, esse “pânico” vai nos deixando e, ao ver estampado no rosto do outro um sorriso imenso, daquele tipo que fala: “Eu te amo, sua boba”.

Natural. É para quem nunca amou fazer ou falar coisas doidas, manifestar grilos, vergonha, intimidades, acho que é normal. Até começar a ouvir um pagodinho, está valendo.

Mas eu aceito esse sentimento e digo que é um presente da vida. É uma aventura esse lance de gostar verdadeiramente de alguém. Você se sente vulnerável, é bem verdade, mas é tão delicioso ouvir, por exemplo: “O que é importante para você é importante para mim!”

Porque diabo vai ficar catando problema aonde não tem? Porque não “cair de cabeça” nesse romance que com certeza não é só um lance?

“Deixem que digam, que falem, deixe isso para lá...”

A cada dia uma risada, uma novidade, um sentimento, a cada dia mais amor, mais paixão e mais vontade de ficar junto. Por quanto tempo? Ah... Só o tempo para responder essa pergunta. Mas, não há com o que se preocupar, afinal estamos aqui para sermos felizes e não ficar tendo medo do amanhã e sim, viver!

Mas, é bem verdade que a falta de experiência causa uma imaturidade sentimental. Demorei a admitir isso, porque a verdade nem sempre gostamos de ouvir. Mas, a sensatez que sempre me foi peculiar me chamou atenção e percebi que postura infantil diante de situações que nunca vivemos é de certa forma, bem normal.

Claro que perceber isso e pensar a respeito e aprender com o outro que já viveu um pouco mais que você, é a melhor saída. Aprender e não ter medo de errar é a receita de uma grande história de amor.

Sei que dúvidas fazem parte da arte de viver. Não se pode controlar tudo. E, ser sozinha é algo que ficou para traz.

Dou boas vindas a você que entrou em minha vida. Aceito esse amor que não tira mais esse meu sorriso dos lábios, que me faz flutuar e desejar estar sempre ao seu lado.

Aceito essa “melosidade apaixonante”.

Aceito. Amar você e aprender a lidar com sentimentos conturbados.

Aceito fazer parte de você e de tudo que o cerca.

Aceito enfrentar problemas e achar soluções com você.

Aceito verbalizar sempre que for preciso desabafar algum “pânico”, mantendo o canal sempre aberto.

Aceito você em minha vida.

Beijos

@ludfigueira