terça-feira, 1 de março de 2011

Eu aceito!

Esse amor, louco amor, para todo sempre. Ele chegou e se instalou. Não pediu nada, mas, conquistou tudo e mais um pouco. Não tem para ninguém! É ele e pronto.

A vida passou a ter outro significado. Sim, um amor para me ensinar a amar, a saber, na real, com direito a dia-a-dia, o que esse sentimento faz com a vida das pessoas. Cego, surdo e completamente desequilibrado. Na verdade, o amor chega assim e com o tempo, vai se equilibrando, tomando formas, criando laços, futuro...

Como a palavra “pânico” não pode faltar em meus textos, lá vem ela: Ah, o pânico se instala por todo o nosso corpo ao sentir tal sentimento invadindo-nos, fazendo coisas inimagináveis, falando coisas que, não tem sentido. Mas, depois, esse “pânico” vai nos deixando e, ao ver estampado no rosto do outro um sorriso imenso, daquele tipo que fala: “Eu te amo, sua boba”.

Natural. É para quem nunca amou fazer ou falar coisas doidas, manifestar grilos, vergonha, intimidades, acho que é normal. Até começar a ouvir um pagodinho, está valendo.

Mas eu aceito esse sentimento e digo que é um presente da vida. É uma aventura esse lance de gostar verdadeiramente de alguém. Você se sente vulnerável, é bem verdade, mas é tão delicioso ouvir, por exemplo: “O que é importante para você é importante para mim!”

Porque diabo vai ficar catando problema aonde não tem? Porque não “cair de cabeça” nesse romance que com certeza não é só um lance?

“Deixem que digam, que falem, deixe isso para lá...”

A cada dia uma risada, uma novidade, um sentimento, a cada dia mais amor, mais paixão e mais vontade de ficar junto. Por quanto tempo? Ah... Só o tempo para responder essa pergunta. Mas, não há com o que se preocupar, afinal estamos aqui para sermos felizes e não ficar tendo medo do amanhã e sim, viver!

Mas, é bem verdade que a falta de experiência causa uma imaturidade sentimental. Demorei a admitir isso, porque a verdade nem sempre gostamos de ouvir. Mas, a sensatez que sempre me foi peculiar me chamou atenção e percebi que postura infantil diante de situações que nunca vivemos é de certa forma, bem normal.

Claro que perceber isso e pensar a respeito e aprender com o outro que já viveu um pouco mais que você, é a melhor saída. Aprender e não ter medo de errar é a receita de uma grande história de amor.

Sei que dúvidas fazem parte da arte de viver. Não se pode controlar tudo. E, ser sozinha é algo que ficou para traz.

Dou boas vindas a você que entrou em minha vida. Aceito esse amor que não tira mais esse meu sorriso dos lábios, que me faz flutuar e desejar estar sempre ao seu lado.

Aceito essa “melosidade apaixonante”.

Aceito. Amar você e aprender a lidar com sentimentos conturbados.

Aceito fazer parte de você e de tudo que o cerca.

Aceito enfrentar problemas e achar soluções com você.

Aceito verbalizar sempre que for preciso desabafar algum “pânico”, mantendo o canal sempre aberto.

Aceito você em minha vida.

Beijos

@ludfigueira

3 comentários:

Natália Fontoura disse...

Não podemos resumir ou caracterizar o ser humano pelas ciências exatas, o que se sabe das pessoas é tão pouco diante da capacidade humana. Se isso é uma verdade, imagina se somarmos o fator amor? Não estranhe se começares a gostar disso, ponderar aquilo, elogiar acolá... Em uma relação afetuosa TODOS nós nos tornamos mestres e aprendizes. Aprendemos a não ter medo de certas situações, a questionar certas coisas, a compreender melhor certas visões, a curtir um bloco em pleno domingo de sol rachante em Ipanema, a gostar de um pagodinho.

Esse "pacote extra" de sentimentos, receios, grilos, palhaçadas, inseguranças, sorrisos, beijos, abraços, flutuações e melosidade vem com a pessoa que se ama. É um brinde ao relacionamento que agora te move, que te faz feliz, que te inspira a escrever cada vez melhor.

Definitivamente esta aventura, como a senhorita mesma falou, está lhe fazendo muito bem. Espero que saibas que nem tudo são rosas, mas com comunicação e um sentimento puro (como é sentir amor pela primeira vez), tudo ficará bem.

betto disse...

O amor é isso, ele te livra dos males da vida. O amor é bom é só quer o bem. O amor te faz enxergar além do seu próprio nariz. Ele te mostra vida, onde antes tudo passava despercebido. Ele te ensina que o medo, a insegurança e a depressão vem da cabeça e não do coração. Ele te diz que funciona melhor com simplicidade,paciência e tolerância. Ele mostra que quem ama nunca perde, e sim evolui, e o prepara para os próximos estágios da vida.

Nayane disse...

ola Lud queria saber se vc conhece algum side blog sei la em que eu possa encontra uma parceira pois gosto de mulheres tbm mais e dificil encontralas