domingo, 10 de abril de 2011

O Super herói da nossa vida também tem medo.


“Forte, seguro de si, cheio de opiniões marcantes. Calmo e paciente me mostrou um mundo que só havia visto em filmes de ficção. Mostrou-me como o amor pode ser real, louco e apaixonante. Ensinou-me o que é saudade, aquela “coisa” gostosa e ruim que sentimos todas ás vezes que nos despedimos do ser amado ou, quando, mesmo na presença dele, continuamos a sentir... Mudou me olhar, aprimorou minha percepção sobre a vida e sobre as outras pessoas. Trouxe-me um milhão de possibilidades, ampliou meu mundo e diversão e amor me ajudou a conquistar.”

Para meu amor, por Lud Figueira

Não é fácil. Namorar é uma convivência de dias maravilhosos, outros nem tanto e alguns péssimos. Verbalizações para conhecer o outro e seus pensamentos, sua forma de ver e lidar com os problemas da vida. Onde solucioná-los parecem, muitas vezes, um jogo de quebra-cabeças.

O medo de ser uma marinheira de primeira viagem, de não saber como tudo funciona e só ter o conhecimento de teorias e nenhuma prática, me levaram muitas vezes à medos, à questionamentos, à loucura da ansiedade de querer entender o que talvez o próprio amor desconhece e não busca entender, busca sim, viver.

Sem pensar em mais nada, me entreguei e apenas vivi. Não fui a cartomantes, não usei florais, não procurei conselhos milagrosos e nem fiz promessas á anjos e santos. Ao contrário, embarquei na montanha russa do amor e fui. De repente me vi fazendo coisas que jamais havia imaginado, ações que achava que nunca iria pôr em prática, pensamentos fortes e uma posição firme ao lado do amor.

Foi quando, percebi o que eu sou de verdade. O que quero de verdade.

Nesse momento, meu super herói me demonstrou medo. Pois no começo, sem querer, lhe dei de presente alguns receios e medos que carregava há anos. Ele, me ajudou a vencê-los e eu, o confundi.... Foi aí que eu o amei mais. Foi aí que percebi que ele me ajudara a ser eu, a me encontrar e eu o havia feito com que ele percebesse da onde vinha meus medos e receios e ele, deixou aflorar os dele.

Senti-me mais próxima daquele homem. Daquele que não sei explicar, me encantou, me viciou e me libertou de um mundo sem vida e chato. Daquele que me mostrou o carinho, o abraço e o beijo de verdade. Daquele que me aceitou com todas as falhas e acertos, com todas as manias, como eu sou.

Esse homem possui defeitos e qualidades, erra e acerta, fica chateado e também sabe ser feliz. Seria um homem normal como qualquer outro, a não ser que para mim ele não é qualquer um: Ele é um super herói do meu conto de fadas.

Beijos

@ludfigueira

Um comentário:

Natália Fontoura disse...

A caraterística mais interessante do ser humano é a imperfeição. Um ser que não possui medos, desconhece receios, não compreende duvidas é uma pessoa vazia. Compartilhar fraquezas não é fácil, exige coragem, franqueza, paciência... Confiança.
Fico feliz em ler que, com esse compartilhamento de receios, você deu mais um passo no seu relacionamento. Amar é aprender um pouco do outro, e de si mesmo, a cada dia.

Belo texto Lud, beijos.