quinta-feira, 14 de abril de 2011

Verbalizações do amor.


Ando aprendendo que o coração faz escolhas e sua razão aceita-as ou não. Nunca tentei ir contra as escolhas do meu coração. Muitas foram escolhas sofridas e outras afortunadas, mas, aprendi e aprendo com ambas. Então, considero que o coração tenha uma razão sim, mas, como não podemos dizer com propriedade e nem julgar, é uma razão desconhecida, com uma lógica qualquer que não enxergamos e com isso, achamos que o coração só tem emoção, pois na maioria das vezes não raciocinamos diante do sentimento e sim, nos deixamos ser levadoS por tal.

Por falar em sentimento, como racionalizá-lo diante daquela paixão avassaladora? Como dizer não querendo dizer sim? Como manter a responsabilidade intacta e não se deixar contaminar pela intensidade do amor? Ou seria da paixão? Acredito que o amor seja mais compreensivo que a paixão, pois sem dúvida é um sentimento mais calmo e entendido. A paixão acelera o rumo das coisas, muitas vezes faz com que pulemos etapas importantes no caminho para a felicidade a dois.

Não que esteja falando mal da paixão. Ela deve existir sempre numa relação. A paixão é o tempero principal que o amor usa para se manifestar loucamente espantando a rotina do dia-a-dia. Ela não deve ser um período, deve ser uma continuação no seu eterno romance. Mas, que ela ás vezes atrapalha o meio de campo quando se perde a moderação, isso não se pode negar.

Manter um equilíbrio no relacionamento é quase uma tarefa de super herói. Até porque, imaginem só: Já é difícil manter o nosso próprio equilíbrio, que dirá de uma relação, onde se depende do outro? Autocontrole? Meditação? Busca por uma religião? Tudo é válido no mundo dos amantes.

Até porque a receita da felicidade é algo particular: Cada uma tem a sua. Saber o que se quer e o que se busca já é um começo. Lembrando que a sua felicidade não deve depender do outro e sim, só de você. O outro deve contribuir somar à sua felicidade. Compartilhar e nunca fazer do outro um uso de dependência, pois leva qualquer plano de felicidade ao fracasso.

Amor, paixão, razão, coração, equilíbrio... Seria fácil harmonizar todas essas palavras se não existisse em nosso dicionário a palavra intensidade. Esse bichinho insano que faz da gente gato e sapato, caçadores insaciáveis, sonhadores iludidos e ao mesmo tempo, nos dá um gostinho de aventura incalculável.

Vamos tentar arrumar esses itens que estão bagunçados na nossa vida?

Vale uma tentativa!

Beijos

@ludfigueira

Um comentário:

KevelynGomez disse...

Adooro a Forma como a Lud escreve! Perfeitoo;)