quarta-feira, 11 de maio de 2011

Se me atura na BAD, então “ela” (ou “ele”) é para a vida toda.


Chega um momento que continuar a percorrer o caminho escolhido fica difícil. Porque nele, aparecem obstáculos, lágrimas, discussões, irritações, mágoas e driblar essas emoções é só para quem realmente acredita que ao continuar nesse caminho, chegará aonde se deseja.

A convivência a dois, requer em primeiro lugar, a presença de uma palavra bem importante: PACIÊNCIA. Vocês podem não ligar para ela, mas como precisamos dela, ou, como os outros precisam dela para lidar com a gente.

Ninguém vem como os eletrodomésticos, que se não sabemos como funcionam, vem junto um manual de instrução para resolver todas as nossas dúvidas, o que é genial. Mas, somos pessoas e a arte de viver está justamente nisso: Descobrir cada dia um pouco a pessoa amada. As suas particularidades, o tom de voz para saber se o outro está tendo um dia bom ou um dia ruim, as manias, as irritações, os sorrisos... Já imaginaram se a gente viesse com manual de instrução? Que tédio seria? Não teríamos nada para descobrir, não teríamos um briga para saber como é bom reencontrar o outro no final.

A paciência ela ajuda naquele momento onde você está vendo que o outro vai explodir, pois as “patadas” que você anda levando é um sinal disso. Entender que não é com você essa bad e permanecer ao lado do outro, é um sinal de compreensão e paciência. Claro que não somos santos e nem todos os dias a gente está com o espírito da “Madre Tereza” do nosso lado. Nesses dias de bad coletiva descobri que ficar em silêncio para evitar falar o que não deve e também para evitar deixar o outro ainda mais puto é dica certa!

O amor cresce e traz consigo novas responsabilidades. Não desapontar esse sentimento, requer carinho e dedicação para desempenhar seu papel como namorada (o), esposa (o)... O amor quer somar, quer criatividade. Não podemos ficar parados no tempo, na vida, assim como também não podemos ficar parados no nosso relacionamento... Lembrem-se da admiração que deve sempre existir de um para outro...

Alguém perguntou:- --- Não vamos mais brigar mais? Não é?

O outro respondeu: ---- Lógico que vamos! E muito! Umas das formas de aprender a lidar com o outro...

É verdade. Claro que ninguém aqui está defendendo brigas no relacionamento. Ainda mais aquelas bobas, que só desgastam a relação. Mas, estou dizendo que, brigar faz parte do relacionamento e não é só para fazer as pazes depois, é para conhecer um pouco mais do ser amado...

A sensação mais incrível, aquela que te deixa sem palavras, é quando você, com sua bad interna, estraga um encontro com o amado, falando várias besteiras, criando um clima ruim e o outro permanece ali, do seu lado e com o tempo você vai se acalmando e o outro te leva para esfriar a cabeça...Quando a irritação e a insatisfação interior vai embora, você olha para o lado e vê seu amor ali, dando apoio e carinho para você. Você olha para ele e diz : ---“Eu te amo, me desculpa! Obrigada por estar aqui” O outro te abraça com carinho, dá uma piscadinha e diz:----“Eu também te amo! Não precisa agradecer”. Reconhecer isso é um passo para aprender a controlar sua bad e ter mais paciência na vida. Até porque amor como esses, não se encontra em qualquer esquina....

Beijos

@ludfigueira

Um comentário:

Natália Fontoura disse...

"Paciência é uma virtude"... Quem dera que essa virtude fosse inerente ao ser humano, mas não é né? Sendo assim, cabe a cada um de nós saber cria-la e administra-la Concordo plenamente quando você diz que brigas fazem parte de um relacionamento, com certeza fazem. Assim como os questionamentos, as discussões possibilitam o desenvolvimento de certos sentimentos como a paciência, a honestidade, a irritação e a humildade na hora de pedir desculpas. Se tudo fosse azulzinho seria chato demais, parado demais... Perfeito demais.

Perfeição não existe. O que torna as relações humanas tão interessante é a imperfeição. É dela que nascem os laços mais fortes, quando tudo parece dar errado é nessa hora que o casal é posto a prova: Saber lidar com a bad (ou a crise) é CRUCIAL para uma relação amorosa. Compartilhar o momento happy é lindo, mas nem tudo são flores certo?

Esses percalços, essas "bads" evoluem uma relação. Obviamente, podem minar, desgastar, corromper... Medo?? Para que?? Medo maior seria colocar panos quentes e passar por cima das brigas. Se a bad minou a relação é porque, na boa, não era para ser (as vezes até é, mas ambos demoram a perceber isso). Enfim...

Adorei o texto Lud, parabens!