domingo, 3 de julho de 2011

Frustração: Você pode encontrá-la.

Arquivo Pessoal- Lud Figueira

O texto abaixo é uma reflexão sobre o que não devemos fazer num relacionamento.

“Gostaria de ter tido um diálogo com minha mãe. Gostaria que fôssemos amigas. E que nessa fase da minha vida ela pudesse me ajudar. Bom, ela ajuda da maneira que pode; mas não como eu gostaria. Mas, existem pessoas maravilhosas na minha vida que procuro aprender com elas também. De repente, se ela não tivesse a visão que tem do amor, ela poderia ter me ajudado a não errar tanto... Comecei a falar da minha mãe porque me vi cometendo os mesmos erros que ela um dia cometeu. A diferença é que pude ver a tempo, a tempo de evitar um sofrimento para toda uma vida, algo que ela, até hoje não conseguiu esquecer. Eu passei a vida toda guardando carinho, paixão, amor. Cultivei cada sentimento dentro de mim, a espera de alguém que realmente fosse merecedor de receber tais presentes. Mas, confesso que me esqueci de dosar a quantidade de sentimento que guardei a vida toda. Resultado: Assustei-o e acabei frustrando-me. Mas, um belo dia um: “Acorda amor”. E percebi que se eu realmente amasse esse homem, eu precisaria mudar. Desconstruir tudo o que eu sempre achei que sabia sobre o amor e começar do zero. Comecei controlando essa minha necessidade de ser “Amélia- Aquela que era a mulher de verdade”. Depois, essa outra necessidade de agradar o outro mais que tudo; percebi que estava indo numa direção muito errada e ao invés de agradá-lo porque eu realmente o amava e tudo me lembrava ele, estava parecendo que eu estava descontrolada e com medo de perdê-lo. Meus presentes, meus carinhos, minhas declarações saíram da medida e desceram ladeira abaixo e quase não encontro o caminho de volta. Foi duro. A Frustração veio das palavras duras que ouvi. E aos poucos fui murchando, ficando cinza, num estado de relaxamento com a minha pessoa onde eu, não mais me reconhecia. Foi quando caiu a ficha: Eu estava me anulando e passando por cima das minhas vontades pelo outro! A fase onde eu não sabia se eu queria isso ou aquilo ou se eu queria porque o outro queria. Já não sabia mais diferenciar se era eu o era ele. Não queria acreditar, mas, comecei a relembrar fatos e não restaram dúvidas: “Arrumava, cuidava, comprava, fazia e tentava adivinhar. Era homem e a mulher indefesa que todo homem gosta. Era a companheira, a amante avassaladora e insaciável, a fada madrinha que tentava realizar todos os desejos, a que se controlava para não explodir, não falar o que pensava com medo, medo, é... medo de perder o outro... O medo tolo de perder algo que não se têm. Pois, o amor se sente, nasce ou morre não se procura ou se perde, apenas acaba ou então, não era amor.” Mas, isso não dura para sempre. Isso é frágil e se eu não mudasse, se eu não parasse tudo, o sonho viraria um pesadelo e a mágoa e o rancor me invadiria sem que eu pudesse fazer nada. Agora sim, entendo minha mãe: “Mamãe deixou filho pequeno, família, e um passado para traz. Viu uma nova chance de ser feliz. Feliz no amor, nesse sentimento que ela já sentira uma vez, mas não dera certo. Dessa vez ela se entregou totalmente, mas esqueceu do mais importante: Dela mesma. Fez tanto pelo o outro, agradou tanto, amou tanto que se esqueceu de se amar, de se cuidar e no final, sozinha e amargurada ficou. Porque se você não se lembrar de você quem é que vai lembrar? Quem é que vai amá-la?É tudo tão clichê, tudo tão conhecido, que mesmo assim, na cegueira do amor, caímos. Ainda mais quem nunca havia estado com o amor, quando o encontra não sabe o que fazer e acaba se “lambuzando” e colocando tudo (aquilo que se poderia ter) a perder.O que mais contribuiu para essa loucura que embarquei, foi o fato da falta de uma base familiar. Casa? Quarto?Um lugar só para você e suas coisas? Não sei o que é isso já faz um tempo. Ao fazer 18 anos, me rebelei e numa vida de nômade e sem regras me aventurei. Então, quando o amor apareceu, apesar de saber como recebê-lo não soube como tratá-lo e me perdi. Agora, as coisas mudaram. Hoje sei o que é dele e o que é meu. Pois aprendi que o “nosso” vem depois de uma solidificação do amor, do relacionamento. Aprendi que o outro se apaixonou pelo o que eu realmente sou e não por uma obra fake louca e descontrolada. Aprendi que sou um ser com vontades e sonhos e que possuo pernas e braços para correr atrás do que realmente quero sem precisar de muletas ou dependências imaginárias. Aprendi que sou vaidosa e que sempre gostei de coisas boas e sei que com trabalho, estudo e dedicação posso consegui-las. Aprendi que ouvir o outro e procurar se descobrir é a melhor solução para não se perder quem se ama. E o mais importante: Amor não se pede”.

Beijos
@ludfigueira

2 comentários:

Natália Fontoura disse...

Muito delicada essa situação de amar mais, se doar mais, se entregar mais. Ponderação é o ideal, mas falar é fácil. O complicado é por freio no que o coração sente (ainda mais quando ele sente pela primeira vez). Quando se acha que tudo está sob controle, basta a pessoa amada dar um sinal vida para que você se desnorteia novamente, lançando-se em palavras e gestos de carinho desenfreado. Chega a ser patético escancarar o peito. Por mais que seja pessimistas, as vezes o melhor é trancafiar o coração com uma chave, deixa de lado tal sentimento e continuar vivendo, mesmo que seja pela metade. Às vezes dá vontade de arrancar o coração do peito e voltar a ser o Homem de Lata em sua forma original.

"O medo tolo de perder algo que não se tem". É uma tolice mesmo. É patético, medíocre, descartável, besteira, exagero, sem razão. Gostaria que você simples sentir como é falar. Falar é fácil, o complicado é por freio no que o coração sente...

betto disse...

Quem já passou por essa vida e não viveu pode ser mais, mas sabe menos do que eu. Porque a vida só se dá pra quem se deu, pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu.
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada. Nao há mal pior do que a descrença, mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão.
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair pra que somar se a gente pode dividir. Eu francamente já não quero nem saber de quem não vai porque tem medo de sofrer. Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
(vinicius de moraes)