domingo, 14 de agosto de 2011

A Crise nos relacionamentos



Nossa! Não sei se começo pedindo desculpas pela minha grande ausência, ou, faço que nem os parceiros nos relacionamentos e finjo que nada aconteceu para não criarmos uma super briga aqui e agora.

Confesso que não sou uma “parceira” assim. Verbalizo até demais e, ás vezes, o título de “a chata do ano” é meu. Acredito que seja através de grandes discussões que vamos montando o quebra – cabeça do outro e o entendendo. Mas, quando o outro não compartilha dessa sua idéia sobre relacionamento e entendimento? Ah... O bicho pega!

E quando você gosta de falar e o outro gosta do silêncio? E quando acontece aquela bad máxima e você tenta conversar para explicar o seu ponto de vista sobre o ocorrido e tudo que o outro quer é apenas silêncio, nada o que você disser vai melhorar as coisas, ao contrário, o outro vai começar a desejar mentalmente aquele controle remoto do filme CLICK e desejar apertar o botão MUTE.

Nesse momento sua indignação aumenta e você se sente a pior das mulheres. Não consegue entender o que se passa; como vencer esse momento difícil da relação e olha para a porta da rua como uma opção: Ir embora e quem sabe amanhã se possa ter um diálogo ou revolta-se e gritar um sonoro THE END...

Esse é o erro, quer dizer o grande erro de muitos e muitos relacionamentos. O bater da porta, os berros e as decisões impulsivas tomadas no calor do momento. Tudo bem que na hora de uma briga daquelas pensamos no tenebroso FIM, naquela triste despedida, como vai fazer para ir buscar suas coisas (porque vou dizer uma coisa: No decorrer de um namoro, como vamos deixando coisas na casa do namorado! Não sei como não reparamos o espaço diminuindo em nosso armário! Uma vergonha!), como vai ser o seu dramático amanhã sem o outro e o que pensar do resto de seus dias aqui na terra sem seu amor, sem sua rotina criada com você e o pior: Como ficará seu relacionamento com o seu celular; cada vez que ele deixar de tocar na hora em que você sempre recebia uma ligação do amado, como vai ficar a falta daquele: piiiiiiiiiiii avisando mensagem recebida... Ou seja, você tem uma visão em uma fração de segundos de um futuro horripilante sem seu amado ao atravessar a temida porta.... A menos que sua raiva e seu orgulho falem mais alto e você não pense em nada disso, a não ser ele queimando no mármore do inferno.

Pelo sim e pelo não, digo por experiência própria: Fique. Não se despeça sem antes esperar os ânimos se acalmarem. Não saia batendo porta como se fosse uma garotinha mimada, pois você é uma mulher (ás vezes esquecemos e achamos que estamos na novela do Manoel Carlos e no capítulo xyz estará tudo bem! Não é bem assim: Aqui é vida real...). Se ele não quer conversar, respeite esse tempo dele por mais cruel que possa ser para você. Ás vezes tudo o que ele quer é você na sua, respeitando o silêncio dele (até para ele também não explodir e agir sem pensar) para quando passar, vocês poderem entrar num acordo, ficar numa boa (se for em caso positivo). Pois uma coisa faz sentido nesse tal de silêncio: Quanto mais você fala, com raiva, implorando para ele falar, dizer o que está rolando, quanto mais você ficar falando na bad pior vai ser: Ele vai ficar ainda mais P*** com você e o que poderia ser apenas uma bad passageira, pode permanecer por mais tempo, separando vocês.

Não se descontrole. Esses momentos aconteceram muitas vezes no seu relacionamento e o que fará essas "bads" diminuírem a freqüência é a sua postura diante da briga. Será a sua maneira de, apesar da sua raiva, chateação, passar por cima dela e respeitar o tal do “silêncio” do outro. Assim, como ele, terá que aprender a respeitar seu momento de falar.

CONCLUSÃO:

Quem ama, aprende a ter PACIÊNCIA.


Beijos,

@ludfigueira