segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A difícil e adorável arte de viver junto.

Acordar, trabalhar, arrumar, pagar contas, ser sexy, ter paciência com o outro, dar atenção ao outro, TPM, brigas, pazes, cozinhar, comprar, agradar, lembrar, fazer, respirar, surtar, voltar atrás, verdade, reencontrar, paixão, sexo, tesão, vontade, pensar e repensar, querer, realizar, projetos, sonhos, futuro, realidade, o hoje, cama, falar, ouvir, não, sim, provável, improvável, pouco, muito, demasiado, feeling, tempo, agora, comer, manter, vida, cansaço, responsabilidade, momento, decisão e ainda encontrar o tal do felizes para sempre! É FODA!

Enlouquecedor e enriquecedor. Dizem que se você quer conhecer o outro, more junto. Eu penso diferente: Se você quer se conhecer e testar seus limites: MORE JUNTO!

Você + o Outro + uma Casa= Não ter para onde fugir!

A primeira regra é: Resolva seus problemas. Não tem mais a casa da mamãe, ou o bater de portas. Quando você assume a responsabilidade de morar com uma pessoa que teve uma criação completamente diferente de você e, é um ser completamente o seu oposto, para juntos criarem uma vida em comum; vá até o final sem desistir nos milhões de obstáculos que surgem a cada dia.

Somos pessoas que possuímos oscilações de humor, vontades e desejos sejam eles estranhos ou não. Adequar nosso jeito e nossas manias a vida do outro e com isso criar uma vida em comum é COMPLICADO. Mas, não impossível.

Jogo de cintura e o abrir mão na dose certa são o ideal no lema dos casais felizes. Uma flexibilidade aqui, um cedendo algo ali, o outro abrindo exceção lá e assim, o final feliz vai ficando bem perto.

Tudo bem. Falando a verdade não é bem assim que funciona. Tem sempre um que acaba cedendo mais, fazendo mais e se ferrando mais. Mas, um sempre precisa se sacrificar mais para o outro notar, acordar e perceber as dificuldades que o outro passa para manter a felicidade na união e com isso, fazer com que o outro dê aquela colaborada na relação. Claro que nem sempre há necessidade desse tal “sofrer”, mas cada um sabe os percalços que passa.

O amor é igual a uma orquídea: Ambos são lindos e raros, mas difíceis de cuidar. E nem todo mundo é chegado a um trabalho. O que dificulta um pouco as coisas.

A paixão é um tempero que faz toda a diferença para agitar as noites de um amor. O sexo fica fabuloso com o crescer da intimidade, mas, não é tudo. Então o “se vira nos trinta para não perder o outro” faz parte da relação.

Dica importantíssima: Agradar o outro é escutá-lo e não achar ou tentar adivinhar seus gostos.

Conversar ainda é a melhor solução. Agora cuidado: Não comece a conversa num tom de briga ou grosseria: Respira fundo, e por mais P da vida que você se encontre, tente encontrar sua outra parte ZEN e mantenha-se na calma máxima.

ÚLTIMA DICA: Ruim com ele(a), Pior sem ele(a).

Tudo que é mais difícil é mais gostoso e damos mais valor sim!

Beijos

@ludfigueira

Um comentário:

Natália Fontoura disse...

Muitos falam que morar junto é praticamente casar... Eu até concordo com isso. Digamos que é uma forma de ratificar o quão a relação está evoluindo. Obviamente, há casais que mora junto rapidamente e, talvez, sejam uma exceção a essa máxima. Entretanto, creio que em todo esse lance de dividir o mesmo teto, seja depois de anos, meses ou dias de namoro, seja o um dos mais delicados passos da relação.

Como você bem pontuo Lud, morar junto é SE CONHECER. É a prova cabal do quão paciente, flexível, ponderado e compreensivo você pode ser (ou não). Por mais que não se tenha a "casa da mamãe", se tem a porta da rua e é ela que serve de consolo ou refugio para as brigas e discussões. Como eu já disse em comentários anteriores, qualquer relacionamento humano é feito e percalços e complicações, pois é e através deles que constituímos uma relação forte. Cabe a cada um de nos administrar as situações que nos aparecem... Ainda mais debaixo do mesmo teto!

Fico feliz em vê-la de volta Lud. Beijão