sexta-feira, 16 de maio de 2014

Mudanças a caminho....



Tudo o que eu queria te dizer.
(Crônica sobre o fim)



" Foi maravilhoso. Sempre foi incrível. Vivi intensamente e me entreguei numa loucura sem pudor, sem jogos, nua. Fui me deixando levar como se não houvesse amanhã. Fiz caras e bocas, fiquei feliz, fiquei brava e, preciso confessar: Senti medo. Foi nessa hora em que eu perdi um jogo não começado. A brincadeira era só para se diverti. Mas, a tal da brincadeira me cansou mentalmente. Me tornei um personagem e não consegui banca-lo. O mercado está muito competitivo e não estou a par de tantas manobras amorosas. Minha honestidade te espanta, minha procura o faz desistir, minha vontade te engrandece. Já fui, por muitos anos, jogadora profissional. Já sumi sem querer, já deixei de atender aquela ligação mais do que esperada, já me tornei indisponível estando totalmente disponível. Já flertei com o perigo. Essa fase passou. Essa porta foi fechada. Na verdade ela nunca me trouxe nada de bom, a não ser fingir ser algo que nunca fui.
O tempo passou e me trouxe algumas lições. Ainda não sei o que quero, mas já sei o que não quero. E brincar de gato e rato e rir do inesperado e algo que não quero, não me excita, não me provoca mais.
Saber que ele não está afim de você e algo que se deve aceitar. Até porque os fatos não mentem. Cinemas são substituídos por bares, passar o dia inteiro com sono por uma noite não vale o sacrifício. Fazer uma loucura por um beijo ou uma noite quente não está no roteiro. Ficamos velhos para seguir a intensidade. Ficamos velhos e rabugentos. Ou e do jeito que queremos ou não serve. Até porque, ali, virando a esquina ou na sua agenda telefônica tem alguém que lhe aceitará assim, desse jeito. Porque tentar uma estação diferente se essa da certo?
Meu doce e amargo amigo, me escute. Sou complicadamente apaixonante. Sou aquela loucura interna em busca do impossível. Sou aquela sonhadora de plantão que acredita fielmente em mudanças. Sou um ser que ama e odeia na mesma intensidade. Sou aquele fogo que nunca apaga. Sou demasiadamente demais. Sou sem limites. Por isso, reconheço uma batalha perdida.

Depois de uma noite regada a lembranças, em boas e saudosas companhias, sua presença estava fortemente ali. Foi quando percebi que estava voltando a velhos hábitos, velhos sentimentos e velhas e conhecidas decepções.
Desculpa, mas perdi o tom. Consegui apaixonar-me pelo mais louco dos corações. Consegui a façanha de me render ao mais duro e fechado ser. Consegui coisas impossíveis. E, ainda achei graça de toda obra. Porque a tragédia anda junto com a comédia. Talvez seja a parte boa.
Você sempre ri no final, mesmo em prantos por dentro.
Lembro-me cuidadosamente de todos os detalhes pois, repassei mil vezes para não esquecer. O cheiro e o gosto. Cada passeio das mãos, cada olhar a decifrar, cada loucura embriagada e cada palavra dita. As lembranças ficam. 
As escolhas são duras. Mas necessárias para seguir adiante. Momentos difíceis chegaram e a saudade foi avassaladora. Foi complicado lidar com isso sozinha.
Você precisa aceitar que ele não está afim de você.
Deixei dois corações felizes se reencontrando no meio da multidão. E, voltei sozinha com meus pensamentos solitários. Você, foi guardado no arquivo das boas lembranças e segui em frente, sem olhar para traz."

Ludmila Figueira 

Que venha céus sem limites.
Que venham momentos sem ponto final.

Tragam mais amor.

Nenhum comentário: