terça-feira, 3 de junho de 2014

Um Romance? Que mal tem?

Caro Leitor,

Se não dá para termos um relacionamento, porque não alguém legal, que possamos sair, jantar, ir ao cinema, conversar, termos noites regada a beijos, arte e suor?

Sei que vocês vão me dizer que até para um simples romance sem compromisso, a maré anda em baixa. Mas, desistir jamais!

Aqui vai mais um texto para vocês se doarem mais, permitir momentos, permitir que entre novas pessoas em sua vida ou, que as velhas pessoas apareçam com momentos deslumbrantes....

"Aquela noitada não prometia muito. Apesar da música boa, de pessoas bonitas e de boas companhias, minha cabeça não estava ali pensando em conhecer alguém. É bom voltar a sair. Parece que você se sente viva outra vez. Você pára um pouco de pensar nos problemas do dia a dia e se rende ao balançar da música, ao cheiro da noite, ao brilho nos olhos. Depois de algumas horas de festa, meu corpo pediu casa. Para quem não saia há tempos, a duração na noite foi razoável. Me encaminhando para a saída, meu telefone toca. Pensei que talvez pudesse ser alguma amiga que já havia ido embora. Quando vejo, seu nome na chamada. Fiquei um tempo sem saber o que fazer, mas atendi. Fiquei um tempo muda e depois soltei um tímido "oi". Do outro lado da linha, escuto sua voz calma e serena me pedindo desculpas pelo horário da ligação e dizendo: "Eu preciso te ver. Apenas isso. Sei onde você está e estou aqui fora. Posso ver você?" De repente todo aquele sentimento que me esforcei duramente para esquecer, aos poucos foi reaparecendo dentro de mim. Me lembrei que ele ainda estava na ligação e respondi que estava saindo. Ao desligar o celular, cruzar a porta de saída, vejo-o ali, parado, com a cara mais linda do mundo, abrindo um sorriso tímido a minha espera. Não sabia se fazia uma cena de filme de romance e corria ao encontro dele; ou se mantinha a pose de que comigo não é bagunça e o horário não é apropriado. Mas, decidi andar em sua direção calmamente. Minhas pernas tremiam, meu estômago revirava, minhas mãos estavam muito geladas. Mas, mantive a pose e retribui o sorriso. Quando cheguei perto dele, parei em sua frente. Ficamos um tempo em silêncio nos olhando, tentando entender o outro. Até que ele deu o primeiro passo, chegou perto de mim, passou as mãos pelos meus cabelos e me abraçou. Apertou-me contra seu corpo e ali ficamos alguns minutos. Senti vontade de chorar. Ele é o dono do meu coração, meu segredo, minha inspiração mais doce e sincera. Aguentei aquela cena de reencontro firme e forte. Mas, quando nosso abraço acabou e nossos corpos ainda juntos, nossa boca bem perto da outra, seus braços pela minha cintura, foi impossível resistir. Nossas bocas se atracaram uma na outra e me esqueci de toda a saudade, de todas as noites que esperei uma ligação, uma mensagem. Me lembrei de apenas aproveitar esse momento, porque quando a gente gosta, é assim: Difícil dizer não, difícil resistir... A lua continuou nos olhando e nos brindou com mais uma noite para sempre.

Não faça jogo, faça amor!

Beijos

@ludfigueira

Nenhum comentário: